Mês: (página 1 de 4)

[Resenha] As Avós

Inspirada pelo último texto da Mari para o Divã, decidi que devia apostar em um nome ainda não citado pelo Achados & Lidos para a resenha desta semana. Olhando para as compras na Festa do Livro da USP (assunto para outro post), escolhi As Avós, de Doris Lessing.

O estilo de Lessing, uma das seis mulheres a levar o Prêmio Nobel de Literatura nas últimas duas décadas, me surpreendeu. Conhecida por seu ativismo político e por seu linguajar afiado ao comentar acontecimentos mundanos, esperava um livro de linguagem forte e rascante, mas o que encontrei foi um tom comedido e, ao mesmo tempo, límpido, como neste trecho de apresentação dos personagens:

Dois belos homens vinham na frente, não jovens, mas apenas o despeito poderia dizer que eram de meia-idade. Um deles mancava. Em seguida duas mulheres tão bonitas quanto eles, de uns sessenta anos – mas ninguém nem sonharia em chamá-las de velhas. Numa mesa evidentemente conhecida deixaram sacolas, cangas e brinquedos, gente serena e radiante, como são os que sabem usar o sol.

Leia mais

Retrospectiva literária

31 livros, 5642 páginas. Meu ano literário foi muito mais que isso. O marco zero desta retrospectiva tão positiva não poderia ser outro: em 2016, nasceu o Achados & Lidos.

Com o blog, tornei-me uma leitora melhor. E me refiro mais à qualidade que à quantidade. As resenhas do Notas de Rodapé e principalmente o Clube do Livro me ensinaram a digerir o que eu leio. Também perdi a conta de quantas vezes vasculhei minhas prateleiras nos últimos meses em busca de títulos para escrever uma Lista da Semana, um Leitor no Divã ou um Marque a Página. Folheei os livros, reli trechos, lembrei-me de personagens. Minha memória literária nunca trabalhou tanto. E foi ótimo.

Também me engajei mais com temas literários. Na ânsia por compartilhar notícias relevantes desse universo com nossos leitores, redobrei a atenção para as novidades. Acompanhei premiações como se fossem final de Copa do Mundo. Vibrei com Raduan Nassar vencendo o Prêmio Camões, empolguei-me com o Julián Fuks ganhando o Prêmio Jabuti e estou até agora tentando entender o Nobel de Bob Dylan (confesso que esse último foi como assistir a um gol contra).

Leia mais

“… isso é o bom de ser partido ao meio: entender de cada pessoa e coisa no mundo a tristeza que cada um e cada uma sente pela própria incompletude. Eu era inteiro e não entendia, e me movia surdo e incomunicável entre as dores e feridas disseminadas por todos os lados, lá onde, inteiro, alguém ousa acreditar menos.”

 

Italo Calvino em O Visconde Partido ao Meio

[A Máquina de Fazer Espanhóis] Semana #10

Estamos agora bem perto do fim da leitura de A Máquina de Fazer Espanhóis e detetives continuam a visitar o Lar da Feliz Idade em busca de indícios de possíveis crimes no asilo. Ao mesmo tempo, António é confrontado com um dilema incontornável: qual será o seu legado quando seus dias acabarem? Curiosos para saber o desfecho dessa trama? Então continuem nos acompanhando! Na próxima semana, avançamos mais dois capítulos de A Máquina de Fazer Espanhóis – até a página 241, se você tem a edição da Biblioteca Azul, ou até a página 231, se você tem a edição da Cosac Naify.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Alguns capítulos de A Máquina de Fazer Espanhóis nos impressionam pela incrível capacidade que Valter Hugo Mãe tem de sintetizar ideias e pensamentos em algumas poucas páginas.

O décimo oitavo capítulo, um ótimo exemplo desse fôlego narrativo de Hugo Mãe, se inicia com mais uma demonstração da raiva que repousa dentro de António. As visitas de sua filha são sempre um evento traumático em seu cotidiano no Lar da Feliz Idade. Mais recentemente, ele transformou em hábito a atividade de espezinhar as flores que Elisa deposita regularmente no túmulo da mãe após suas visitas.

A atitude infantil de António expõe, como em tantos outros momentos, o fato de que a senilidade muitas vezes nada mais é do que um regresso aos hábitos dos primeiros anos de vida, só que em estágio mais triste, pois se regride, em vez de avançar. As birras do idoso, contudo, contrastam com seu pleno domínio das razões pelas quais não gostaria de ver flores enfeitando o túmulo da esposa:

nenhuma beleza havia de se erguer levianamente diante de mim naquele lugar onde devia tanger o corpo da minha mulher. nenhuma beleza vestiria aquela brancura para me enganar do vazio da pedra, do frio da pedra, do modo como a pedra nem ouvia nem falava.

Leia mais

[Resenha] A Paixão Segundo G.H.

Perdi alguma coisa que me era essencial, e que já não me é mais. Não me é necessária, assim como se eu tivesse perdido uma terceira perna que até então me impossibilitava de andar mas que fazia de mim um tripé estável.

A Paixão Segundo G.H. é um livro sobre a busca pelo real e pelo divino. Em pouco menos de duzentas páginas, Clarice Lispector escancara, através da personagem G.H., a condição humana.

Viver, segundo ela, é um segredo inalcançável para a grande maioria das pessoas que gasta os dias em um sonambulismo confortável, evitando uma epifania aterradora. Não ter a consciência da vida é o padrão, não a exceção.

Apesar da profundidade do enredo, Lispector não perde de vista a trivialidade do cotidiano. A escritora encontra nos fatos mais banais os gatilhos para o turbilhão de descobertas que coroa a narrativa.

Leia mais

Posts mais antigos

© 2017 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑