Página 2 de 66

[Resenha] São Paulo nas Alturas

Se o Brasil não tem um prêmio Nobel para chamar de seu, na arquitetura o país acumula dois prêmios Pritzker, a mais prestigiosa premiação do ramo, que já celebrou, além dos brasileiros Oscar Niemeyer e Paulo Mendes da Rocha, grandes nomes como I. M. Pei, responsável pela pirâmide invertida do Louvre, e Zaha Hadid, que entre outros projetos assinou o museu Maxxi em Roma.

São Paulo nas Alturas, do jornalista Raul Juste Lores, nos leva a um passeio de reconhecimento pelos projetos desses dois arquitetos e de muitos outros menos célebres, que moldaram a forma como a cidade se relaciona com a arquitetura.

Niemeyer fez parte da geração modernista que, entre as décadas de 1950 e 1960, alterou o panorama visual – o “skyline”, na falta de uma palavra melhor – da cidade, com a construção de edifícios como o Copan, o Conjunto Nacional, o edifício Itália,  entre tantos outros que hoje são ponto de referência na cidade. De forma bastante didática, Lores nos oferece, neste livro, um passeio pelas origens de uma cidade que, no intervalo de duas décadas, deixou para trás as casas e sobrados e os edifícios artdéco para se jogar de cabeça no modernismo, em um raro momento no qual interesses comerciais e artísticos encontraram sintonia.

Leia mais

[Lista] 5 livros de não ficção

A literatura tem um papel importante na representação da realidade. Se a ficção já cumpre bem esse papel ao trazer tramas e personagens que refletem os dilemas do indivíduo e da sociedade, a não ficção consegue conectar o leitor com seu entorno de maneira ainda mais direta. Como nessa categoria cabem inúmeros gêneros literários e temáticas, a lista de hoje é bastante diversa – de memórias a livro-reportagens, de tragédias a arte.

17.09.11_lista_nao_ficcao_11. A Sangue Frio, de Truman Capote: nesse clássico contemporâneo, o escritor americano inaugurou um novo estilo literário – o romance de não ficção. Obra polêmica justamente por se estruturar sobre a linha tênue da realidade e da ficção, não há dúvida que Capote chacoalhou tanto os conceitos de literatura quanto de jornalismo.

Ele passou seis anos apurando o brutal assassinato da família Clutter, ocorrido em 1959 em uma pequena cidade no Kansas, Estados Unidos. Sem gravador ou bloco de notas, contando apenas com sua memória, Capote conversou com vizinhos da vítima, investigou as circunstâncias do crime e, principalmente, entrevistou os dois assassinos. Em anos de apuração, o autor acabou estabelecendo uma estranha relação de amizade e confiança com os criminosos – fato que, por diversas vezes, colocou em xeque a veracidade de sua narrativa.

A obra-prima de Capote não alcançou o sucesso apenas por essa polêmica. A linguagem irônica, os densos perfis psicológicos dos envolvidos e o exame exaustivo, ora neutro ora apaixonado, da realidade deram origem a um retrato cortante da violência nos Estados Unidos e do lado sombrio do sonho americano:

De que tinham medo? “Pode acontecer de novo.” Com algumas variações, era essa a resposta costumeira. No entanto, uma professora observou: “As pessoas não estariam tão alteradas se isso tivesse acontecido com outros que não os Clutter. Com uma família menos admirada. Menos próspera, menos segura. Mas eles representavam tudo o que as pessoas daqui valorizam e respeitam, e o fato de uma coisa dessas ter acontecido com eles – é o mesmo que alguém dizer que Deus não existe. Dá a impressão de que a vida não tem sentido. Acho que as pessoas não estão apenas assustadas; estão é profundamente deprimidas”.

Leia mais


“Nos últimos tempos de solidão em que ele se encontrava, deitado com o rosto contra as costas do divã, daquela solidão em meio à cidade populosa e aos seus numerosos conhecidos e membros da família, solidão que não poderia ser mais absoluta em parte alguma, mesmo no fundo do mar ou no seio da terra, nos últimos tempos dessa terrível solidão, Ivan Ilitch vivia apenas no passado, graças à imaginação. Apareciam-lhe, um após outro, os quadros do seu passado.”

 

Liev Tolstói em
A Morte de Ivan Ilitch

[Nossa Senhora do Nilo] Semana #4

Se no trecho anterior vislumbramos a necessidade de apagar a história para impor a narrativa dos colonizadores, nas últimas páginas mergulhamos em uma onírica tentativa de reconstrução de um passado dominado por faraós e deuses. Além disso, enfrentamos a dura realidade de ser mulher em qualquer lugar do mundo, nas narrativas em pílula que, gota a gota, nos ajudam a compor o panorama do dia a dia no liceu. Para a próxima semana, vamos até a página 140.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

A história da África, ao contrário do que prega a professora Lydwine, obviamente não começou com a colonização. No trecho que acabamos de ler de Nossa Senhora do Nilo, de Scholastique Mukasonga, mergulhamos em uma onírica tentativa de reconstituir um passado em que reinavam faraós negros. Leia mais

[Resenha] Dias de Abandono

Ler Elena Ferrante é mergulhar no turbilhão de sentimentos, nem sempre virtuosos, tampouco compreensíveis, que compõem a natureza humana. Se nos volumes da tetralogia napolitana a escritora já dá mostras dessa habilidade em trechos esparsos cuja precisão e impacto exigem releitura, em Dias de Abandono são 181 páginas dessa prosa avassaladora. O fôlego narrativo de Ferrante é surpreendente: faz o leitor esquecer seu entorno e o transporta para a caótica intimidade de Olga, uma mulher abandonada pelo marido depois de 15 anos de casamento.

O processo de redescoberta da personagem é central no enredo. Todos os estágios do abandono – dos momentos de lucidez aos de irracionalidade completa – são descritos minuciosamente. A narradora em primeira pessoa potencializa a honestidade do relato. A sensação é de que Olga está logo ao lado, confessando despudoradamente todo seu sofrimento.

Em um primeiro momento, ela se força a manter a calma. Apoiando-se na certeza de que a ruptura com Mario é passageira, Olga leva os dias de maneira desatenta, como se colocasse sua vida em suspenso, apenas aguardando o restabelecimento de sua rotina passada. À medida que o tempo avança, a esperança esmorece e dá lugar a uma mistura de raiva, saudade e obsessão.

Leia mais

< Posts mais antigos Posts mais recentes >

© 2017 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑