Página 2 de 73

[Lista] 5 livros sobre a Rússia

Hoje é dia de mais uma lista temática sobre os 100 anos da Revolução Russa, celebrada neste mês de novembro. Dessa vez, não trouxemos apenas autores russos, mas listamos cinco obras que, de algum modo, falam da história desse país: dos acontecimentos que levaram à Revolução aos difíceis anos de perseguição política e autoritarismo sob o comando de Stálin. Ficou curioso? Aproveite as sugestões de leitura abaixo e aguarde: ainda teremos outros conteúdos especiais sobre a Rússia ao longo de novembro!

Os Romanov resenha Companhia das Letras1. Os Románov, de Simon Sebag Montefiore: Difícil começar uma lista sobre a história russa sem falar da dinastia mais importante dos tempos modernos. O império dos Románov, que chegou a abarcar um sexto da superfície terrestre, durou cerca de três séculos, até que Nicolas II fosse destituído do poder pelos bolcheviques em 1917, com o subsequente assassinato de sua família.

Em Petrogrado, no dia 25 de outubro de 1917, os bolcheviques tomaram o poder. “Uma segunda revolução”, escreveu Alexandra três dias depois. Quando os alemães avançaram na Rússia, o líder bolchevique Lênin decidiu imediatamente se retirar da guerra, o que deixou Nicky indignado: “Como esses bolcheviques salafrários têm o descaramento de pôr em prática seu sonho oculto de propor paz ao inimigo?”.

Leia mais

“Compreende, será que compreende, meu caro senhor, o que significa não se ter mais para onde ir? (…) porque é preciso que toda pessoa possa ir ao menos a algum lugar…”

 

Fiódor Dostoiévski em Crime e Castigo

[Laços] Semana #2

O ótimo prefácio da escritora Jhumpa Lahiri elevou nossas expectativas em relação a Laços, de Domenico Starnone! A sofisticação narrativa e a temática universal evidenciadas em sua análise já deram mostras nessa primeira parte do romance. O difícil é interromper a leitura, rs! Para a próxima semana, avançamos até a página 57.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

O início de Laços já é inquietante. A prosa de Starnone aguça a curiosidade, incomoda e envolve o leitor.

A história da família protagonista é introduzida pelas cartas da esposa a Aldo, o marido que a abandonou. Em pouco menos de vinte páginas, Starnone percorre com uma força narrativa admirável os vários estágios de uma separação dolorosa. Primeiro, as tentativas de compreensão. Em seguida, a raiva, o desespero e a apatia misturada à exaustão.

Assim como a autora das cartas, queremos entender o que aconteceu. Começamos desconfiados, com uma curiosidade mais racional, apenas buscando desvendar a trama. Mas, não demora muito, a angústia que transborda do relato da narradora nos contagia. Nem bem entrou na história, já sentimos um desafeto pela figura de Aldo.

Ele aparece como alguém egoísta, que não sabe bem o que quer e não hesita em afundar as pessoas próximas em sua confusão. Os trechos em que a esposa tenta encontrar uma explicação para a partida do marido trazem algumas reflexões interessantes que se aplicam a qualquer relação humana, não apenas ao casamento.

Leia mais

[Resenha] Middlesex

Nasci duas vezes: primeiro como uma bebezinha, em janeiro de 1960, num dia notável pela ausência de poluição no ar de Detroit; e de novo como um menino adolescente, numa sala de emergências nas proximidades de Petoskey, Michigan, em agosto de 1974.

Middlesex, segundo romance de Jeffrey Eugenides, publicado em 2002, é, desde o princípio, claro sobre a história que será narrada: a vida de uma menina que, por uma alteração genética desconhecida e rara, se descobriria um menino na adolescência. Calíope Stephanides, que se tornaria Cal anos mais tarde, é hermafrodita. Um assunto que continua sendo tratado com preconceito e estranhamento, ainda que hoje se fale com um pouco mais de naturalidade sobre identidade de gênero, é o tema de um romance épico sobre formação e sexualidade.

O romance, com ares de odisseia familiar, é muito bem construído. Eugenides opta por dedicar por parte do livro à trajetória da família Stephanides, perfazendo o caminhos percorridos por uma mutação genética, a 5-alfa-redutase, de baixíssima incidência, que irá definir o destino da personagem central do livro

A história começa com um episódio inusitado, a cerimônia da colher. Embora seja narrado em primeira  pessoa, por Calíope/Cal, o narrador é onisciente quando se trata dos fatos anteriores ao seu nascimento. Presenciamos assim o momento em que Desdêmona balança a colher de  prata guardada na caixinha de bichos da seda que trouxe consigo da Europa e diz que o segundo bebê de Tessie e Milton seria  um menino.

Leia mais

[Lista] 5 razões para ler Dostoiévski

Neste mês de novembro, a revolução russa completa 100 anos! E já que esse país de dimensões e contradições continentais está na pauta, não podemos perder a oportunidade de trazer um pouco de literatura russa ao blog. A lista de hoje segue essa proposta, com um objetivo muito nobre: convencer você a ler o gênio Fiódor Dostoiévski!

1. Sua escrita alcança os mais recônditos meandros da consciência humana.

Os personagens de Dostoiévski são tão transparentes que chega a ser assustadora a empatia que eles despertam. Em Crime e Castigo, por exemplo, quando menos esperamos, já estamos mergulhados na angústia do atormentado Raskólnikov, tentando, junto com ele, encontrar saídas para o injustificável. Finda a leitura, parece até que dividimos com o personagem o fardo de um crime.

No livro O Fim do Homem Soviético, de Svetlana Aleksiévitch, há um trecho em que um dos seus entrevistados sintetiza muito bem essa marca das obras de Dostoiévski e da literatura russa em geral:

A misteriosa alma russa… Todos tentam entendê-la… Leem Dostoiévski… O que eles têm lá além da alma? Nós além da alma só temos mais alma.

A maestria de Dostoiévski para ouvir a consciência humana e colocar em palavras suas ambiguidades o torna universal e atemporal. Sua narrativa habita justamente o limite tênue entre o herói e o anti-herói, entre o louvável e o condenável, revelando, com clareza, que a matéria-prima da natureza humana é a contradição.

Leia mais

< Posts mais antigos Posts mais recentes >

© 2017 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑