Tag: todavia livros

[Resenha] Enquanto Os Dentes

Uma travessia de balsa até Niterói, no Rio de Janeiro, é o pano de fundo do belo romance de estreia de Carlos Eduardo Pereira, Enquanto os Dentes (Editora Todavia, 93 páginas). Nesta narrativa enxuta e ao mesmo tempo densa, acompanhamos Antônio em um momento bastante preciso: sua mudança da “antigo apartamento” de volta para a casa dos pais.

O grande trunfo do livro é sem dúvida a perspectiva adotada por Pereira. De um fôlego só, sem divisões de capítulos ou respiros entre parágrafos, acompanhamos não apenas o fluxo de pensamentos e as memórias de passagens decisivas na vida do narrador, mas também suas percepções visuais e sensoriais.

Antônio, que sofreu um acidente que o colocou em uma cadeira de rodas, enfrenta as ruas e calçadas do Rio de Janeiro, com seus inúmeros personagens e passantes: os funcionários do serviço das Barcas, excessivamente protocolares, a solicitude de um ou outro transeunte, a senhora religiosa que lhe recomenda fé.

Leia mais

[Resenha] Tudo Pode Ser Roubado

Garçonete de um famoso restaurante em São Paulo, a personagem principal de Tudo Pode Ser Roubado, romance de estreia de Giovana Madalasso (Todavia Livros, 189 páginas), está sempre à espreita de breves encontros sexuais que possam terminar com objetos de valor sutilmente furtados.

Descrita como uma “sonhadora mequetrefe”, ela parece se importar pouco com o fato de levar uma vida que muitos poderiam caracterizar como sem propósito. Suas ambições momentâneas, depois de sair do “fungo”, o apartamento sem incidência de luz solar em que morou quando chegou a São Paulo, envolvem dar entrada no seu apartamento e não ser demitida do trabalho no restaurante, onde a galeria de alvos potenciais para seus roubos é extensa.  

Seu cotidiano vazio acaba sofrendo uma reviravolta quando é procurada por um tipo duvidoso. Chamado de Biel, o personagem, espécie de pilantra profissional, lhe traz uma proposta arriscada e inusitada: o roubo de um livro raro, usando suas táticas de sedução para subtraí-lo da casa de um professor. O colecionador que contratou os serviços do vigarista nos remete quase imediatamente a Charles Cosac, ex-dono da editora que levava o seu nome e de um sócio (Cosac & Naify). Descrito neste perfil do jornal Valor Econômico como um colecionador voraz de obras de arte, Cosac é de uma personalidade marcante, capaz de levar os dedos do avô falecido pendurados no pescoço.

Leia mais

© 2018 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑