Tag: resenha (página 1 de 25)

[Resenha] Enquanto Os Dentes

Uma travessia de balsa até Niterói, no Rio de Janeiro, é o pano de fundo do belo romance de estreia de Carlos Eduardo Pereira, Enquanto os Dentes (Editora Todavia, 93 páginas). Nesta narrativa enxuta e ao mesmo tempo densa, acompanhamos Antônio em um momento bastante preciso: sua mudança da “antigo apartamento” de volta para a casa dos pais.

O grande trunfo do livro é sem dúvida a perspectiva adotada por Pereira. De um fôlego só, sem divisões de capítulos ou respiros entre parágrafos, acompanhamos não apenas o fluxo de pensamentos e as memórias de passagens decisivas na vida do narrador, mas também suas percepções visuais e sensoriais.

Antônio, que sofreu um acidente que o colocou em uma cadeira de rodas, enfrenta as ruas e calçadas do Rio de Janeiro, com seus inúmeros personagens e passantes: os funcionários do serviço das Barcas, excessivamente protocolares, a solicitude de um ou outro transeunte, a senhora religiosa que lhe recomenda fé.

Leia mais

[Resenha] O Sol na Cabeça

Geovani Martins tem apenas 26 anos, mas seu romance de estreia, O Sol na Cabeça (Companhia das Letras, 119 páginas), teve ampla divulgação por sua editora, recebeu elogios de Chico Buarque e já teve direitos vendidos para mais de nove países. Embora poucos consigam realizar feito parecido, não é difícil entender esse magnetismo:  Martins nasceu em Bangu e foi criado no Vidigal. É filho de uma cozinheira com um jogador de futebol amador. Seu destino como escritor parecia improvável, mas é justamente a infância e a adolescência pobres do autor que formam a essência – e o apelo –  dos treze contos que compõem este livro, que partem de episódios cotidianos para expor as fraturas de uma sociedade que se divide entre morro e asfalto.

Essa primeira divisão está, muito claramente, na linguagem. As gírias, aqui, não estão entre aspas ou em itálico, como estamos tão acostumados a observar. A concordância deixa de ser perfeita. A oralidade tão literal que Martins exibe em alguns de seus contos, como Rolézim, que abre o livro, nos faz imergir na vida das favelas cariocas, a realmente escutar quem quase nunca tem voz.

Leia mais

[O Mestre e Margarida] Semana #11

Depois do grande baile, chegou a hora do reencontro entre o Mestre e Margarida. Com diálogos cheios de ironia e humor, Bulgákov vai conduzindo o leitor ao desfecho dessa narrativa. Para a próxima semana, avançamos até o início do capítulo 28 ou página 346, se você tem a edição da foto.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Depois de cumprir todas as condições da trupe diabólica e passar uma noite surreal e exaustiva como anfitriã do baile, Margarida pode, enfim, reivindicar sua parte no trato. Porém, como todos os momentos até agora envolvendo o diabo, esse também é carregado de armadilhas, testes e, claro, muito humor e ironia.

Ao contrário da maioria dos personagens, Margarida é bastante perspicaz. Ela consegue desvendar, sem grandes dificuldades, a agenda oculta de Woland. Quando a noite do baile se encaminha para o seu final, ela percebe que, embora tenha seus direitos diante do combinado, aquela trupe era poderosa demais para que ela se arriscasse com cobranças.

Leia mais

[Resenha] Carta a D.

O jornalista austríaco André Gorz conheceu Dorine em 1947, em Lausanne, na Suíça, pouco depois do fim da Segunda Guerra Mundial. Como ele mesmo reconhece, o romance entre os dois era pouco provável. O que Dorine, uma bela e resoluta jovem inglesa, poderia querer com ele, um austrian jew, como o autor se define? Carta a D. (Companhia das Letras) que Gorz escreveu para a esposa depois de quase cinquenta anos juntos, busca retomar os alicerces dessa paixão, em talvez uma das mais memoráveis declarações de amor da literatura.

Você está para fazer oitenta e dois anos. Encolheu seis centímetros, não pesa mais do que quarenta e cinco quilos e continua bela, graciosa e desejável. Já faz cinquenta e oito anos que vivemos juntos, e eu amo você mais do que nunca. De novo, carrego no fundo do meu peito um vazio devorador que somente o calor do seu corpo contra o meu é capaz de preencher.

Mesmo sabendo que o amor é filosoficamente difícil de ser definido, Gorz tenta evocar os marcos de uma relação duradoura, buscando de certa forma explicar o inexplicável: porque nos apaixonamos por determinada pessoa, e não por outra, e porque continuamos a amá-la a vida inteira.

Um momento fundamental na vida do casal foi a decisão sobre o casamento. Para Gorz, uma burocracia que codificava juridicamente uma relação de amor. Para Dorine, o casamento tinha outro sentido:

Leia mais

[O Mestre e Margarida] Semana #10

O Grande Baile do Satã foi, sem dúvida, um dos melhores (e mais assustadores) capítulos que temos até aqui. Em um ritmo alucinante, somos apresentados a uma fileira de reis, rainhas, envenenadores e outros personagens com um passado no mínimo duvidoso, enquanto Margarida assume uma posição que, definitivamente, não imaginávamos. Para a próxima semana, avançamos até o capítulo 26, ou página 311, se você tem a edição da foto. São menos de 100 páginas para o fim da leitura! Aproveite e conte para gente o que mais te marcou até aqui nos comentários!

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Depois de todos os feitiços e prodígios daquela noite, já deduzia exatamente quem ela estava sendo levada para visitar, porém isso não a assustava.

Diferentemente da maioria dos mortais, Margarida vê com pouco assombro o encontro impressionante que a noite lhe reserva: com ninguém menos do que Diabo em pessoa. Com sua habilidade de dramaturgo, Mikhail Bulgákov nos familiariza com o cenário fantasmagórico em que vamos imergir nas próximas páginas.

Leia mais

Posts mais antigos

© 2018 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑