Notas de rodapé (página 1 de 17)

Lemos, gostamos (ou não) e indicamos (ou não). Aqui, colocamos nossas impressões sobre livros que, de alguma forma, nos marcaram. Tem opinião, mas não tem spoiler!

[Resenha] O Palácio da Memória

Uma, duas, três, quatro, cinco histórias… Quando você se dá conta já está há horas lendo o livro O Palácio da Memória, de Nate DiMeo. Sua narrativa envolvente nos faz passar de um capítulo a outro como se estivéssemos ouvindo um bom amigo contar casos tão interessantes e emblemáticos que até nos questionamos: como demorei tanto tempo para conhecer essa história?

O livro é uma coletânea dos melhores episódios criados e apresentados por DiMeo em um dos podcasts mais conhecidos da atualidade – The Memory Palace. As histórias e os personagens são todos reais: pessoas comuns (ou seriam extraordinárias?) que marcaram a História por sua inteligência, coragem ou determinação, e nem sempre tiveram o devido reconhecimento.

Mesmo nos casos em que o personagem principal é alguém que desfrutou, em vida ou postumamente, da fama, a abordagem de DiMeo não se aproxima do que encontramos nos livros didáticos ou nos jornais. Sua narrativa privilegia o que escapa à História oficial: o cotidiano, o banal, o humano.

Leia mais

[Resenha] São Paulo nas Alturas

Se o Brasil não tem um prêmio Nobel para chamar de seu, na arquitetura o país acumula dois prêmios Pritzker, a mais prestigiosa premiação do ramo, que já celebrou, além dos brasileiros Oscar Niemeyer e Paulo Mendes da Rocha, grandes nomes como I. M. Pei, responsável pela pirâmide invertida do Louvre, e Zaha Hadid, que entre outros projetos assinou o museu Maxxi em Roma.

São Paulo nas Alturas, do jornalista Raul Juste Lores, nos leva a um passeio de reconhecimento pelos projetos desses dois arquitetos e de muitos outros menos célebres, que moldaram a forma como a cidade se relaciona com a arquitetura.

Niemeyer fez parte da geração modernista que, entre as décadas de 1950 e 1960, alterou o panorama visual – o “skyline”, na falta de uma palavra melhor – da cidade, com a construção de edifícios como o Copan, o Conjunto Nacional, o edifício Itália,  entre tantos outros que hoje são ponto de referência na cidade. De forma bastante didática, Lores nos oferece, neste livro, um passeio pelas origens de uma cidade que, no intervalo de duas décadas, deixou para trás as casas e sobrados e os edifícios artdéco para se jogar de cabeça no modernismo, em um raro momento no qual interesses comerciais e artísticos encontraram sintonia.

Leia mais

[Resenha] Dias de Abandono

Ler Elena Ferrante é mergulhar no turbilhão de sentimentos, nem sempre virtuosos, tampouco compreensíveis, que compõem a natureza humana. Se nos volumes da tetralogia napolitana a escritora já dá mostras dessa habilidade em trechos esparsos cuja precisão e impacto exigem releitura, em Dias de Abandono são 181 páginas dessa prosa avassaladora. O fôlego narrativo de Ferrante é surpreendente: faz o leitor esquecer seu entorno e o transporta para a caótica intimidade de Olga, uma mulher abandonada pelo marido depois de 15 anos de casamento.

O processo de redescoberta da personagem é central no enredo. Todos os estágios do abandono – dos momentos de lucidez aos de irracionalidade completa – são descritos minuciosamente. A narradora em primeira pessoa potencializa a honestidade do relato. A sensação é de que Olga está logo ao lado, confessando despudoradamente todo seu sofrimento.

Em um primeiro momento, ela se força a manter a calma. Apoiando-se na certeza de que a ruptura com Mario é passageira, Olga leva os dias de maneira desatenta, como se colocasse sua vida em suspenso, apenas aguardando o restabelecimento de sua rotina passada. À medida que o tempo avança, a esperança esmorece e dá lugar a uma mistura de raiva, saudade e obsessão.

Leia mais

[Resenha] Os Homens Explicam Tudo Para Mim

Recentemente, estava almoçando com um grupo de amigos e um deles, uma mulher, nos contava sobre um duro e competitivo processo seletivo que ela participou no mês passado. A última etapa consistia em painéis com mais três competidores e uma banca formada por nomes de peso da área de negócios. Uma das concorrentes então começou a falar de seu tema e apresentou dados consistentes em sua argumentação, baseados em uma matéria do jornal inglês The Guardian. Um dos figurões contestou os números de forma constrangedora, sem permitir que a garota seguisse com seu raciocínio a partir das informações que ela tinha frescas na memória. Ao fim do debate, ela checou o celular e, como esperava, os dados que havia citado para embasar sua apresentação estavam certos.

A situação é bastante familiar para a maior parte das mulheres: em uma discussão, um dos homens do grupo assume o protagonismo no debate e impede, ou invalida, a argumentação feita por uma mulher. Mesmo quando elas eram as palestrantes. Mesmo quando elas eram as convidadas. Mesmo quando elas estavam se apresentando para conseguir uma bolsa de estudos.

Em Os Homens Explicam Tudo Para Mim, um ensaio sobre o silêncio como (mais uma) uma forma de opressão das mulheres, Rebecca Solnit narra várias experiências desse tipo. A que a levou a escrever esse texto e, posteriormente, publicá-lo ao lado de outros ensaios como um livro, é emblemática: certa vez, com uma amiga em um evento em Aspen, ela se sentou para conversar com um “homem importante que já havia ganhado muito dinheiro”.

Leia mais

[Resenha] Ragtime

A América se encontrava no limiar do século XX, era uma nação de engrenagens a vapor, locomotivas, naus aéreas, motores a combustão, telefones e prédios de 25 pavimentos.

E o que se escondia por trás de todo esse progresso? É isso que nos mostra o escritor americano E. L. Doctorow no ótimo romance Ragtime. Dois núcleos de personagens sem nomes conduzem essa narrativa que poderia ser a de qualquer americano que viveu o período.

A família de classe média alta de Papai, Mamãe, Vovô, Irmão Mais Novo e Menino – sim, é dessa maneira genérica que eles são identificados – representa a parcela que se beneficiou financeiramente do progresso capitalista, embora não se possa dizer o mesmo do seu equilíbrio psicológico.

Leia mais

Posts mais antigos

© 2017 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑