Tag: A Máquina de Fazer Espanhóis (página 1 de 4)

“mas a laura queria acreditar que eles ainda acatavam o que lhes dizia. acreditava que se impressionavam com a sua sabedoria e, respeitosamente, cumpriam cada conselho e chamavam-lhe conselho para não se humilharem com a ideia de se submeterem às ordens da mãe. eu ria-me, uma vez e outra, dizendo que era a mais pura ilusão a de a laura ordenar o que quer que fosse aos nossos miúdos já grandes.”

 

Valter Hugo Mãe em A Máquina de Fazer Espanhóis

“o tempo guarda cápsulas indestrutíveis porque, por mais dias que se sucedam, sempre chegamos a um ponto onde voltamos atrás, a um início qualquer, para fazer pela primeira vez alguma coisa que nos vai dilacerar impiedosamente porque nessa cápsula se injecta também a nitidez do quanto amávamos a quem perdemos, a nitidez do seu rosto, que por vezes se perde mas ressurge sempre nessas alturas, até o timbre da sua voz, chamando o nosso nome ou, mais cruel ainda, dizendo que nos ama com um riso incrível pelo qual nos havíamos justificado em mil ocasiões no mundo.”

 

Valter Hugo Mãe em
a máquina de fazer espanhóis

[A Máquina de Fazer Espanhóis] Semana #13

Após quatro edições do Clube do Livro do Achados & Lidos, não exageramos ao dizer que A Máquina de Fazer Espanhóis foi o título que, em todas as semanas, nos rendeu, sem dificuldade, posts cheios de reflexões. A escrita de Valter Hugo Mãe consegue ser certeira em dez páginas, cinco, um parágrafo ou duas linhas. Por menor que fosse o trecho lido, sempre encontrávamos espaço para uma análise válida. Esperamos que vocês tenham apreciado a leitura tanto quanto nós e que nosso objetivo de conseguir ainda mais leitores para Hugo Mãe tenha sido alcançado. 

E fique ligado: a quinta edição do nosso Clube de Livro começa em janeiro! Escolhemos um título que foi um dos grandes lançamentos de 2016 e muito bem avaliado pela crítica. Enquanto esperamos o início do próximo ano, vamos fazer uma edição relâmpago do Clube com uma leitura temática natalina: o conto A Missa do Galo (Variações sobre o mesmo tema), de Lygia Fagundes Telles. Vocês podem encontrá-lo na coletânea A Estrutura da Bolha de Sabão. Esperamos vocês!

E, como já fizemos anteriormente, abrimos espaço para que os leitores que nos acompanharam ao longo dessa leitura pudessem compartilhar o que acharam do livro. Ficamos muito felizes com a participação de vocês!

Leia mais

[A Máquina de Fazer Espanhóis] Semana #12

A Máquina de Fazer Espanhóis chegou ao fim e nos despedir não está fácil! A angústia, esse sentimento tão humano, dominou António à medida que ele ia perdendo suas capacidades físicas. Entre a culpa e o desespero pela proximidade da morte, ele também faz uma bonita descoberta sobre a amizade. Gostamos muito do livro de Valter Hugo Mãe e de todas as reflexões que a leitura nos incitou a fazer! Na próxima semana, convidamos nossos leitores a compartilhar conosco sua opinião sobre o livro!

Gostaram? Amaram? Deixem seus comentários aqui no blog ou nos enviem por e-mail no blogachadoselidos@gmail.com!

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Desde que entrou no Lar da Feliz Idade, António conhecia seu destino – a transferência para a ala esquerda, próxima do cemitério, próxima da morte. Por mais que ele tentasse se convencer de que desejava o fim, enfrentar essa realidade não foi uma experiência simples.

Leia mais

[A Máquina de Fazer Espanhóis] Semana #11

[A Máquina de Fazer Espanhóis] Semana #11

Reta final de A Máquina de Fazer Espanhóis! Nesse último trecho lido, um pouco de suspense deixou no ar a possibilidade de um desfecho com emoções. Quais são os seus palpites? Na próxima semana, concluímos a leitura e nos despedimos de António e do Lar da Feliz Idade.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Desde o início do romance, a narrativa se concentra em alguns moradores do Lar da Feliz Idade. No capítulo 19, Valter Hugo Mãe nos dá a chance de conhecer outros internos. Em uma descrição que António faz do horário do almoço, conhecemos grupinhos de pessoas, que assim como ele, senhor Pereira, Silva da Europa e Esteves, formaram laços de amizade fundamentais para trazer leveza ao dia a dia no asilo.

É interessante a maneira como Hugo Mãe conduz essa descrição. A disposição das mesas no pátio e as observações de António acerca do comportamento alheio lembram muito um ambiente escolar, em que a forma como todos se organizam diz bastante sobre seus hábitos, relacionamentos e a posição que ocupam em determinado grupo social:

o salão de almoço era longo e largo, com mais de quarenta mesas rectangulares, que serviam para um máximo de seis pessoas, e cinco redondas onde, em cada uma, se podiam sentar seis pessoas. Eu sentava-me, desde o primeiro dia, na mesa redonda mais à esquerda.

Leia mais

Posts mais antigos

© 2017 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑