Autor: Achados & Lidos (página 1 de 19)

[Nossa Senhora do Nilo] Semana #5

Nessa última leitura, dois temas se sobressaíram: a apropriação do território e das riquezas ruandesas pelos colonizadores brancos e a condição frágil da mulher na sociedade. Scholastique Mukasonga segue nos surpreendendo com sua habilidade para contar histórias e com um texto que consegue ser sutil sem perder o impacto. Para a próxima semana, vamos até a página 177.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

“Os Gorilas” foi, até o momento, o capítulo que mais nos surpreendeu, pela fluência da prosa e profundidade crítica. Na última semana, quando vimos o título desse trecho foi difícil segurar a leitura. Por que será? A resposta estava na própria narrativa: porque os gorilas representam o imaginário – limitado, diga-se de passagem – que temos sobre Ruanda e sobre a África em geral.

Do alto de nossa cultura ocidentalizada, estávamos esperando boas passagens de aventuras com os grandes animais, tais quais os filmes que as garotas do liceu lembram ironicamente, durante uma conversa sobre como os colonizadores se apropriaram até mesmo da proteção dos gorilas. A mulher branca que não deixava nenhum ruandês se aproximar desses bichos é um bom exemplo da situação.

Mesmo esses europeus interessados na preservação da natureza, que provavelmente não eram numerosos, chegavam com uma postura arrogante, como se conhecessem mais dos gorilas e seus hábitos que o povo local. Os ruandeses, na visão deles, seriam ignorantes que não sabiam como proteger a riqueza que tinham e precisavam de alguém para ensiná-los:

Leia mais

[Nossa Senhora do Nilo] Semana #4

Se no trecho anterior vislumbramos a necessidade de apagar a história para impor a narrativa dos colonizadores, nas últimas páginas mergulhamos em uma onírica tentativa de reconstrução de um passado dominado por faraós e deuses. Além disso, enfrentamos a dura realidade de ser mulher em qualquer lugar do mundo, nas narrativas em pílula que, gota a gota, nos ajudam a compor o panorama do dia a dia no liceu. Para a próxima semana, vamos até a página 140.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

A história da África, ao contrário do que prega a professora Lydwine, obviamente não começou com a colonização. No trecho que acabamos de ler de Nossa Senhora do Nilo, de Scholastique Mukasonga, mergulhamos em uma onírica tentativa de reconstituir um passado em que reinavam faraós negros. Leia mais

[Nossa Senhora do Nilo] Semana #3

Na última leitura, mergulhamos na rotina do liceu Nossa Senhora do Nilo! Nas sutilezas das histórias cotidianas, Scholastique Mukasonga faz um preciso retrato do povo ruandês. Para a próxima semana, avançamos até a página 104.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

A educação é uma ferramenta poderosa nas mãos do colonizador – o dia a dia no liceu Nossa Senhora do Nilo não nos deixa mentir:

O sinal tocou outra vez. As aulas iam começar. Francês, matemática, religião, higiene, história-e-geografia, educação física, esporte, inglês, kinyarwanda, costura, francês, culinária, história-e-geografia, física, higiene, matemática, religião, inglês, costura, francês, religião, francês…

Um aspecto chama a atenção nesse trecho: Mukasonga se utiliza do recurso linguístico da repetição para estabelecer um ritmo, especialmente no final, em que fica clara a predominância das aulas de francês e religião na grade curricular das alunas. Enquanto o idioma local – o kinyarwanda – tem um espaço tímido na programação, o francês se impõe como a língua a ser aprendida e a religião, como assunto a ser priorizado. Quando pensamos na história de colonização do nosso país e dos nossos vizinhos na América, vemos que as coisas não foram tão diferentes por aqui, não é?

Leia mais

“Estou convencido de que uma sociedade sem literatura, ou em que a literatura tenha sido relegada, como certos vícios inconfessáveis, às margens da vida social e convertida em pouco menos do que um culto sectário, está condenada a barbarizar-se espiritualmente e a comprometer sua liberdade.”

 

Mario Vargas Llosa em A Verdade das Mentiras

[Nossa Senhora do Nilo] Semana #2

Os dois primeiros capítulos de Nossa Senhora do Nilo, de Scholastique Mukasonga, nos deram uma ideia do contexto da narrativa. Conhecemos a história do liceu que dá título ao livro e, por meio dela, vislumbramos a história social e política do povo ruandês. Para a próxima semana, avançamos até a página 67.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Antes de introduzir de maneira mais detalhada os personagens, Mukasonga trabalha na descrição dos ambientes. A partir de algumas histórias como a da santa que nomeia o liceu e a da construção do colégio , entendemos a configuração da sociedade ruandesa de então.

Já notamos a sutileza da escrita de Mukasonga. Ela é uma exímia contadora de histórias e os fatos que envolvem sua ficção dificilmente aparecerão diretamente, sem ter uma anedota que os embale.

Leia mais

Posts mais antigos

© 2017 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑