Clube do livro (página 1 de 16)

Que leitor nunca sonhou em fazer parte de um clube do livro? Essa é a hora! Vamos selecionar um título e queremos que você leia e discuta com a gente!

[Nossa Senhora do Nilo] Semana #6

No capítulo que acabamos de ler de Nossa Senhora do Nilo, de Scholastique Mukasonga, Virginia, uma das garotas tutsis do liceu, reflete sobre a ausência de lugar para os tutsis no presente que se construía em Ruanda. Entre os sonhos de alguns brancos, que enxergavam neles uma linhagem real, e o domínio dos hutus, as notas do genocídio que viria a acontecer no país ganham mais ênfase a cada trecho dessa leitura. Está gostando? Conte para a gente nos comentários! Na próxima semana vamos avançar até a página 208.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Como se perdeu a conexão que nos ligava à terra e aos nossos ancestrais? Essa pergunta parece pairar sobre as páginas de O Umuzimu da Rainha, capítulo da semana na leitura compartilhada de Nossa Senhora do Nilo, de Scholastique Mukasonga.

Leia mais

[Nossa Senhora do Nilo] Semana #4

Se no trecho anterior vislumbramos a necessidade de apagar a história para impor a narrativa dos colonizadores, nas últimas páginas mergulhamos em uma onírica tentativa de reconstrução de um passado dominado por faraós e deuses. Além disso, enfrentamos a dura realidade de ser mulher em qualquer lugar do mundo, nas narrativas em pílula que, gota a gota, nos ajudam a compor o panorama do dia a dia no liceu. Para a próxima semana, vamos até a página 140.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

A história da África, ao contrário do que prega a professora Lydwine, obviamente não começou com a colonização. No trecho que acabamos de ler de Nossa Senhora do Nilo, de Scholastique Mukasonga, mergulhamos em uma onírica tentativa de reconstituir um passado em que reinavam faraós negros. Leia mais

[Nossa Senhora do Nilo] Semana #3

Na última leitura, mergulhamos na rotina do liceu Nossa Senhora do Nilo! Nas sutilezas das histórias cotidianas, Scholastique Mukasonga faz um preciso retrato do povo ruandês. Para a próxima semana, avançamos até a página 104.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

A educação é uma ferramenta poderosa nas mãos do colonizador – o dia a dia no liceu Nossa Senhora do Nilo não nos deixa mentir:

O sinal tocou outra vez. As aulas iam começar. Francês, matemática, religião, higiene, história-e-geografia, educação física, esporte, inglês, kinyarwanda, costura, francês, culinária, história-e-geografia, física, higiene, matemática, religião, inglês, costura, francês, religião, francês…

Um aspecto chama a atenção nesse trecho: Mukasonga se utiliza do recurso linguístico da repetição para estabelecer um ritmo, especialmente no final, em que fica clara a predominância das aulas de francês e religião na grade curricular das alunas. Enquanto o idioma local – o kinyarwanda – tem um espaço tímido na programação, o francês se impõe como a língua a ser aprendida e a religião, como assunto a ser priorizado. Quando pensamos na história de colonização do nosso país e dos nossos vizinhos na América, vemos que as coisas não foram tão diferentes por aqui, não é?

Leia mais

[Nossa Senhora do Nilo] Semana #2

Os dois primeiros capítulos de Nossa Senhora do Nilo, de Scholastique Mukasonga, nos deram uma ideia do contexto da narrativa. Conhecemos a história do liceu que dá título ao livro e, por meio dela, vislumbramos a história social e política do povo ruandês. Para a próxima semana, avançamos até a página 67.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Antes de introduzir de maneira mais detalhada os personagens, Mukasonga trabalha na descrição dos ambientes. A partir de algumas histórias como a da santa que nomeia o liceu e a da construção do colégio , entendemos a configuração da sociedade ruandesa de então.

Já notamos a sutileza da escrita de Mukasonga. Ela é uma exímia contadora de histórias e os fatos que envolvem sua ficção dificilmente aparecerão diretamente, sem ter uma anedota que os embale.

Leia mais

[Nossa Senhora do Nilo] Semana #1

Prontos para a oitava edição do Clube do Livro do Achados & Lidos? Antes de iniciarmos a leitura, vamos conhecer melhor a obra da escritora ruandesa Scholastique Mukasonga, que causou furor em sua recente passagem pelo Brasil. Para a próxima sexta-feira, vamos até a página 38. Se ainda não conseguiu seu exemplar de Nossa Senhora do Nilo, corra que ainda dá tempo!

Mariane Domingos e Tainara Machado

Em 1994, em Ruanda, os hutus no comando do país mataram 800 mil tutsis e deixaram muitos outros milhares desabrigados, em um dos genocídios que marcaram o século XX. Scholastique Mukasonga, autora de Nossa Senhora do Nilo, livro escolhido para a oitava edição do Clube do Livro do Achados & Lidos, perdeu 27 membros de sua família no massacre, entre eles seus irmãos e sua mãe.

Ela só sobreviveu porque teve acesso à educação, em um dos colégios católicos mantidos pelos colonizadores belgas, onde ela aprendeu francês. Ainda muito jovem, Mukasonga emigrou, primeiro para o Burundi, em 1973, e depois para a França, em 1992, cumprindo assim a ideia fixa de sua mãe, que era salvar os filhos, ou pelo menos algum deles.

Leia mais

Posts mais antigos

© 2017 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑