Tag: ian mcewan (página 1 de 4)

[Lista] 5 personagens trabalhadores

Para celebrar o 1º de Maio, comemorado em todo o mundo como Dia do Trabalho, prestamos homenagens a esses personagens que, assim como nós, pobres mortais, precisam enfrentar chefes, horários e as demais pressões da vida laboral.

Trabalhadores do mundo (da literatura), uni-vos!

1. Macabea, de A Hora da Estrela, de Clarice Lispector: A “delicada e vaga existência” diária de Macabea, a personagem principal desse clássico da literatura brasileira, é preenchida por sua função como datilógrafa, habilidade adquirida em um “curso ralo de como bater à máquina”.

Macabea, uma nordestina de dezenove anos que migrou para o Rio de Janeiro, leva uma vida miserável e sem perspectivas, em um trabalho em que o chefe chega a ameaçar mandá-la embora, mas desiste por sua ingenuidade e delicadeza. Seus dias são preenchidos com pensamentos fantasiosos sobre a infância, a fome e a vontade de ser quem não era.

Ao retratar a personagem, Clarice Lispector habilmente descreveu uma geração de migrantes nordestinos que, em terras cariocas ou paulistas, era invisível socialmente, ocupada com subempregos em uma paisagem urbana que irremediavelmente marchava em sentido oposto. 

Domingo ela acordava mais cedo para ficar mais tempo sem fazer nada.

O pior momento de sua vida era nesse dia ao fim da tarde: caía em meditação inquieta, o vazio do seco domingo. Suspirava. Tinha saudade de quando era pequena – farofa seca – e pensava que fora feliz. Na verdade por pior a infância é sempre encantada, que susto.

Quem nunca compartilhou dessa aflição que emana de uma tarde de domingo que atire a primeira pedra!

2. Michael Beard, de Solar, de Ian McEwan: O personagem principal de Solar tem um currículo invejável: ganhador do prêmio Nobel de Física por uma teoria que leva seu nome, Michael Beard vive de palestras, conferências e pareceres até ascender ao posto de chefe do Centro Nacional de Energia Renovável da Inglaterra.

Sua grande contribuição para a área, porém, foi resultado de uma confluência de fatores em que seu talento não necessariamente teve grande peso. Agora, o personagem vive há quase duas décadas obtendo os dividendos de conquistas profissionais obtidas bem no início de carreira (um tipo bem comum na vida corporativa, não é mesmo?).

Como poderia Beard confessar a Jesus que havia anos não praticava a ciência a sério e não acreditava em profundas transformações interiores? Tudo que existia era deterioração interna e externa.

Com a ironia fina característica, McEwan mostra os altos e baixos de um personagem narcisista e sem nenhuma ética no trabalho.

3. Ifemelu, de Americanah, de Chimamanda Ngozi Adichie: O mundo do trabalho certamente ganhou contornos diferentes nas últimas décadas e é natural que essas mudanças estejam refletidas na literatura.

Em alguns casos, chefes e horários rígidos perderam espaço para atividades autossuficientes, como no caso de Ifemelu. A personagem principal de Americanah é uma jovem nigeriana que, diante da falta de oportunidades de estudo em seu país, marcado por greves e por conflitos militares, migra para os Estados Unidos para estudar.

Na América, Ifemelu trava relações com um ilustre desconhecido em sua vida até então: a raça. O preconceito contra negros nos Estados Unidos a leva a começar a escrever para um blog, que se torna bastante bem sucedido. Mas, antes disso, Ifemelu encara a dificuldade que é conseguir uma vaga em um ambiente socio-cultural totalmente distinto ao que ela estava acostumada:

Cada vez que ela ia para uma entrevista de emprego ou fazia um telefonema sobre uma vaga, ela dizia a si mesma que que este seria, finalmente, o seu dia; dessa vez, a vaga de garçonete, recepcionista ou babá seria dela, mas mesmo que ela torcesse por si mesma, já havia uma sombra crescente em um canto da sua mente. “O que eu estou fazendo de errado?”, ela perguntava a Ginika, e Ginika lhe dizia para ser paciente, para ter esperança.

Ngozi Adichie explora, por meio dessas frustrações, como é a vida de um imigrante, até que Ifemelu consiga se estabelecer e conquistar seu próprio espaço na América. O problema, então, é que ela será uma estrangeira em sua própria casa.

4. Rob, de Alta Fidelidade, de Nick Hornby: Neste livro despretensioso, mas muito divertido, Rob tenta se refazer após o fim do relacionamento com uma namorada, o que o leva a questionar toda a sua vida até aquele momento.

Dono de uma loja semi-abandonada de discos em Londres, o personagem tenta sair do impasse por meio de listas,  dos cinco rompimentos mais importantes de sua vida até a trilha sonora perfeita para curtir uma fossa, buscando sempre o apoio emocional de sua vasta coleção de CDs. Difícil não se identificar com esse trecho:

Na noite de terça-feira eu reorganizo minha coleção de discos; eu sempre faço isso em período de stress emocional. Uma parte das pessoas poderia achar essa uma terrível maneira de passar um fim de tarde, mas eu não sou uma delas. Essa é a minha vida, e é bom poder se aprofundar nela, imergir seus braços nela, tocá-la.

Sem muitas aspirações na carreira, Rob tenta procurar respostas em seu passado. Leve e de um humor autoirônico difícil de resistir, esse é um ótimo livro para as férias ou para descansar a cabeça depois de uma longa semana no trabalho (ou te fazer se sentir um pouco melhor consigo mesmo).

PS: Está de bobeira no feriado? Alta Fidelidade já foi adaptado para o cinema e tem John Cusack no papel principal, com uma atuação perfeita para o personagem. Ainda que aqui no Achados e Lidos sejamos fiéis aos livros, o filme é divertidíssimo e ainda conta com o bônus de ter uma ótima trilha sonora.

5. Renée, de A Elegância do Ouriço, de Muriel Barbery: Uma zeladora de um prédio parisiense que prefere ocultar sua cultura e conhecimento é o pano de fundo desse romance de Muriel Barbery, que vendeu mais de 900 mil exemplares na França.

Renée, a personagem que narra a maior parte do romance, guarda para si seus gostos refinados e sua ampla capacidade de raciocínio lógico porque sabe que os moradores do prédio do qual ela é zeladora se assombrariam caso enxergassem nela algo mais do que alguém que está sempre ali perto da porta, disposta a resolver problemas ou socorrer alguém em necessidade. Por vezes, ela deixa escapar algum comentário, mas quase nenhum dos oito inquilinos consegue enxergar além das convenções sociais:

Como sempre, sou salva pela incapacidade dos seres humanos de acreditar naquilo que explode a moldura de seus pequenos hábitos mentais. Uma zeladora não lê A Ideologia Alemã, e, por conseguinte, seria incapaz de citar a décima primeira tese sobre Feuerbach. Além disso, uma zeladora que lê Marx está, necessariamente, de olho na subversão e se vendeu a um diabo que se chama Confederação Geral dos Trabalhadores, a CGT.

Paloma, de doze anos, é das poucas moradoras que consegue ver por dentro da couraça de proteção de Renée. Procurando um sentido para sua vida, é Paloma quem ligará as pontas da existência da zeladora com outro personagem igualmente reservado.

É a luta de classes combinada ao melhor da literatura!

Lembrou de outro trabalhador da literatura? Conte para a gente nos comentários!

[Enclausurado] Semana #11

A quinta edição do Clube do Livro do Achados e Lidos nos deixou roendo a unha de curiosidade do início ao fim do livro. O narrador inusitado escolhido por Ian McEwan em Enclausurado fez enorme sucesso entre nossos leitores: com certeza, foram os posts mais comentados nas redes sociais entre todos os títulos que já selecionamos.

A força da narrativa transparece nos comentários enviados por alguns de nossos leitores, que publicamos abaixo, como já fizemos anteriormente. Ficamos muito felizes com a participação e com as análises bastante interessantes que recebemos! Esperamos que vocês tenham gostado da leitura tanto quanto nós.

Para a sexta edição do Clube do Livro, escolhemos um autor brasileiro da nova geração. Vamos apresentar o título com mais detalhes na próxima semana, mas você  já pode correr para a livraria: o título selecionado foi O Amor dos Homens Avulsos, do Victor Heringer. Indicado por outros escritores bastante admirados por aqui, como Michel Laub, apostamos em um debate interessante suscitado por essa leitura. Ah, e fique ligado nas nossas redes sociais. Na segunda-feira, vamos sortear um exemplar, para incentivar quem ainda está pensando em acompanhar o Clube!

Ricky Hiraoka

“Sou muito fã do Ian McEwan. Já li vários livros e todos que li tinham um traço forte de melancolia e sensibilidade.Eram histórias que mexiam muito comigo, me faziam refletir sobre escolhas, sobre medos, sobre diferenças… Confesso que fui ler Enclausurado esperando uma trama menos obscura e irônica. O livro demorou para me prender, mas, no fim, estava apaixonado pela originalidade de ter um feto como narrador, pelo sarcasmo, pelas análises políticas e comportamentais que o protagonista faz e pelo tom politicamente incorreto. Eu adorei e recomendo super. Daqui um tempo, quero fazer uma nova leitura!”

 

Teo Sales (@teoskywalker)

“Que suspense! Embora os personagens desse livro sejam fúteis e desprezíveis, o narrador, ou melhor, o inocente e observador feto não o é! Ele é inteligente, entende tudo o que acontece ao seu redor, participa à revelia da trama, é politizado e gosta de vinho. Enclausurado é um livro mordaz, com alguns toques de ironia e sagacidade de um narrador extremamente simpático e cativante. Que leitura gratificante. McEwan nunca decepciona. Recomendadíssimo.”

 

Rodolfo Domingos

“Ler Ian McEwan, principalmente numa língua que não seja a inglesa, é um desafio em vários níveis. Seu conteúdo é tenuamente filosófico, atemporal e rebuscado. Fui parar em “Enclausurado” anos depois da experiência com “Reparação”, e tantos anos sem contato com o autor de um dos meus livros prediletos me fez sentir que eu havia mergulhado em águas rasas. Que minha experiência com este senhor britânico estava demasiadamente longe das profundezas mais obscuras desta mente. E Enclausurado é como descer alguns degraus até a profundeza. É apostar que vale a pena ir até o ponto de partida da vida humana, onde começa qualquer história, boa ou ruim, para se divertir com a brincadeira ousada de ator-autor.

O bebê em formação é paradoxalmente formado, formado pelas experiências alheias, e que paradoxalmente também são suas próprias experiências. Em termos práticos, é a visão de um bebê contando sua versão de uma história sombria de dentro da barriga da mãe e que traça comentários audazes sobre o mundo que foi e o mundo que é.

O próprio cenário do livro é uma espécie de útero, todas as cenas se passam dentro de uma casa e, assim como um útero, a mansão em questão embriona uma história absurda de assassinato.

Ian McEwan é, no fundo, um atrevido, um atrevido genial. Que rouba o plot de Shakespeare e faz disso uma tragédia urbana moderníssima. Um livro que soa muito maior do que suas 200 páginas.”

 

Gabriela Domingos

“O inusitado do livro Enclausurado, um feto narrador (e inteligentíssimo!), apesar de me deixar incomodada no começo da leitura, me convenceu. E gostei muito!! Tudo parece real e não há ‘falhas’, a trama não permite. Mais uma vez, a escrita de Ian McEwan me surpreendeu a cada capítulo.”

 

Lilian Cantafaro

“Enclausurado me transportou ao curso de Letras, quando eu só tinha olhos para Shakespeare. Hamlet é a minha peça favorita: é o personagem solitário à procura de respostas, é a tragédia da dúvida alimentada pelo desejo de vingança, a preocupação com a violência do mundo. Esta releitura de Hamlet foi, sem dúvida, uma das mais sensacionais que já vi, não só pela originalidade do inusitado narrador, mas pela genialidade com que Ian McEwan desenvolveu todos os traços importantes da personalidade de Hamlet. Sua leitura nos deu a sensação de estarmos num teatro. Excelente escolha e impecável análise do Achados e Lidos.”

[Enclausurado] Semana #10

O fim de Enclausurado foi o ponto alto de uma narrativa que nos surpreendeu do começo ao fim, da escolha do narrador às observações cáusticas sobre a realidade. Uma releitura de Hamlet, de Shakespeare, para ninguém colocar defeito. Gostou do livro tanto quanto a gente? Mande seu comentário para blogachadoselidos@gmail.com que publicaremos as mensagens recebidas na próxima sexta-feira. E fique de olho nas nossas redes sociais. Em breve, divulgaremos o novo título do Clube do Livro, com direito a sorteio, como sempre!

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Entre todas as leituras que fizemos aqui no Clube do Livro do Achados e Lidos, o final de Enclausurado, de Ian McEwan, talvez tenha sido o que mais nos deixou curiosas.

O escritor conseguiu transformar um desfecho banal e esperado em um acontecimento surpreendente e decisivo para a trama. Afinal, se o narrador estava no útero da mãe, era natural que o nascimento ocorresse em algum momento, não é? São as sutilezas com que McEwan conduz a narrativa, no entanto, que tornam o que é certo tão fantástico.

Depois de se refestelarem com um banquete de comida dinamarquesa, que rende comentários prazerosos do feto sobre arenque e outras iguarias típicas do país, há uma tensão crescente que paira no ar, à espera de algum telefonema que, todos parecem pressentir, inevitavelmente virá. Leia mais

[Enclausurado] Semana #9

Estamos na reta final da leitura de Enclausurado, de Ian McEwan, e o cerco está se fechando em torno de Trudy e Claude. O trabalho investigativo da polícia segue e, embora os amantes trabalhem para limpar todos os rastros, ainda não é possível comemorar um plano perfeito. Na próxima semana, avançamos mais três capítulos até o final do livro. Estamos curiosas por esse desfecho!

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Quando Elodia chega à casa de Trudy, inicia-se mais um ato bem ensaiado dessa história que é uma verdadeira peça de teatro. Foi ela quem reconheceu o corpo de John no necrotério, fato que a posiciona como uma personagem importante para as investigações policiais e para o sucesso ou o fracasso do plano arquitetado pelos amantes.

Elodia, mais do que ninguém, tem que comprar a ideia de que John era uma pessoa instável e capaz de cometer suicídio. Para o azar de Claude e Trudy, ela chega à mansão convicta de que esse não era o perfil do amigo. A mãe do feto inicia, então, uma atuação emotiva sobre como o ex-marido tinha uma tendência para fazer mal a si mesmo. A declaração de Elodia à polícia acontecerá no dia seguinte. Os assassinos precisam ser rápidos e convincentes.

O aspecto mais marcante dessa cena é a avaliação que o narrador, protegido em seu casulo, faz das agendas ocultas de cada personagem. Ele já conhece bem a mãe e o tio, portanto é capaz de identificar os gestos ensaiados em cada fala. No entanto, ele sabe pouco sobre Elodia. Suas indagações acerca das verdadeiras motivações da poeta deixam no ar o suspense: será que ela está acreditando no que lhe dizem ou só empreendeu aquela visita para confirmar suas suspeitas sobre a culpabilidade da ex-mulher e seu amante?

Leia mais

[Enclausurado] Semana #8

Nos últimos capítulos, o narrador de Enclausurado, de Ian McEwan, tomou duas decisões importantes: não é capaz de se suicidar e nem pretende seguir os passos da mãe como assassino para se vingar de seu tio. Qual é, então, o futuro que lhe aguarda? Faltando poucas páginas para o fim dessa leitura, queremos saber o que você está achando da história desse inusitado narrador! Para a próxima semana, avançamos mais três capítulos, até a página 167.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Se o narrador de Enclausurado já aprendeu algo sobre a natureza humana é que ela é, essencialmente, contraditória e que o processo de tomada de decisão costuma ser caracterizado por impulsos e retrocessos, idas e vindas, até que se tenha feito um avanço irreversível, como um assassinato, por exemplo.

Ainda que isolado do mundo, o feto é capaz de compreender melhor do que Claude, seu tio, o misto de remorso e culpa que assombra Trudy após a morte de seu pai, John. Enquanto a mãe se declara desesperada, seu futuro padrasto lê com certo entusiasmo as notícias que relatam a morte de John, sobre a qual ainda não se suspeita de assassinato.

As nuances do relacionamento entre os dois são entendidas pelo feto em um processo de aprendizado indireto, secundário, mas ainda assim absolutamente sensível. Como o próprio McEwan disse, a partir do momento em que aceitamos a premissa desse livro, o restante da história está situado no campo do real. O narrador absorve o mundo externo a partir da perspectiva de sua mãe e de novelas e programas de rádio, o que lhe permite análises bastante aguçadas sobre a natureza dos relacionamentos afetivos, sem deixar de lado certa ironia:

Leia mais

Posts mais antigos

© 2017 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑