Autor: Mariane Domingos (página 1 de 36)

[Resenha] Coisas Que Não Quero Saber

Em Coisas Que Não Quero Saber, a sul-africana Deborah Levy transforma relatos autobiográficos em ensaios e constrói uma breve narrativa sobre o poder libertador da escrita. Quatro textos, organizados a partir do ensaio Por Que Escrevo, de George Orwell, trazem à tona três momentos cruciais da vida da escritora. As memórias que Levy passou décadas tentando afastar afloram em sua escrita, instigada, sobretudo, pelas perguntas:

“O que fazemos com o conhecimento com o qual não suportamos conviver? O que fazemos com as coisas que não queremos saber?”

O primeiro ensaio contextualiza essa autoinvestigação a que Levy se propõe. Após uma crise de choro nas escadas rolantes do trem de Londres, ela decide, abruptamente, fazer uma viagem a um lugar ermo de Maiorca. Durante essa escapada, um encontro fortuito a faz voltar às suas origens e encarar algumas lembranças difíceis.

Levy nasceu na África do Sul da época do Apartheid. Ela tinha apenas cinco anos quando assistiu, em sua própria casa, à prisão do pai, perseguido por ser membro do partido social-democrata African National Congress e atuar contra o regime segregacionista. Passam-se quatro anos até que ela e o irmão voltem a vê-lo.

Leia mais

“… e se por vezes enveredava por um descaminho, isso se dava porque para muitos simplesmente não existe um caminho certo. Se acaso lhe perguntavam o que afinal de contas pensava em vir a ser neste mundo, respondia com fórmulas variáveis, pois costumava dizer (e até já o inscrevera em seu íntimo) que trazia em si as possibilidades de mil formas diferentes de existência, junto da secreta consciência de que todas no fundo não passavam de puras impossibilidades…”

 

Thomas Mann em Tonio Kröger

[Divã] Esta é uma obra de ficção

Há alguns dias, ganhei um Kindle da minha irmã. Uma das primeiras etapas da configuração do aparelho é uma pergunta sobre preferências, para que eu receba recomendações alinhadas aos meus gostos. Eu, sempre tão indecisa nas definições de preferidos, sobretudo quando o assunto é livro, não hesitei nem um segundo em marcar o gênero “Literatura ficção”.

Leio biografias, livros-reportagem, ensaios, mas nenhuma categoria me atrai tanto quanto a ficção. Não sei bem as razões dessa inclinação. Às vezes, penso que é vontade de fugir do mundo. Outras vezes, acho justamente o contrário: busco na ficção a compreensão da realidade. Mas será que esses dois universos são assim tão separados?

O blog tornou-me uma leitora mais curiosa. As páginas de um romance já não me bastam para entender a obra. Mergulho em prefácios, epílogos, orelhas, pesquisas na internet ou em outros livros – tudo para conhecer mais detalhes da vida do escritor e, quem sabe, encontrar pistas que me ajudem a compreender melhor o que acabei de ler.

A literatura, enquanto forma de expressão, carrega a história de cada indivíduo. Por mais distante ou surreal que pareça um enredo, há sempre algum aspecto que veio da experiência de vida do escritor. Pode ser um lugar, um personagem ou uma cena: a ficção está constantemente flertando com a realidade.

Leia mais

“Todos os dias parimos o mesmo filho – diz Dabondi. Todos os dias o cordão umbilical renasce para voltar a ser decepado. Durante a vida inteira a mãe recomeça o parto, escuta o primeiro choro, sente o primeiro riso. Todo o parto infinitamente se reparte.”

 

Mia Couto em O bebedor de horizontes – As areias do imperador 3

[Resenha] O Espírito dos Meus Pais Continua a Subir na Chuva

Não é segredo para os leitores do blog que gosto muito de romances que exploram os artifícios da memória. Já escrevi até um post sobre esse assunto e ressaltei em diversas resenhas a habilidade de certos autores com o tema (Alan Pauls, Javier Marías e Patrick Modiano são alguns exemplos). Era de se esperar, portanto, minha identificação com esta obra do argentino Patricio Pron, intitulada O Espírito dos Meus Pais Continua a Subir na Chuva (Editora Todavia, 158 páginas).

Um jornalista viciado em remédios e com problemas para enfrentar a realidade volta à sua cidade natal, na Argentina, depois de uma longa e confusa temporada na Europa. Ele retorna para rever o pai, que está hospitalizado. Mais do que o reencontro com sua terra e sua família, essa visita traz à tona um acerto de contas com o passado.

O protagonista, assim como seu pai, sofre com alguns problemas de memória. Seus momentos sob o efeito dos remédios e sua infância são borrões que pouco revelam acerca de sua identidade. Já o pai tem dificuldades com a memória recente, especialmente para os fatos rotineiros.

O texto de Pron é repleto de metáforas bem construídas, que recorrem à materialidade do cotidiano para expressar conceitos bastante abstratos como o tempo e a memória. Seu estilo lembra muito o de Alan Pauls, outro grande escritor argentino:

Leia mais

Posts mais antigos

© 2018 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑