[Resenha] Meio Sol Amarelo

Em sua famosa palestra para o TedTalks, a escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie falou do perigo da história única, da visão comum e unificada da história africana, um legado do colonialismo. Em Meio Sol Amarelo, livro de 2008 reeditado recentemente pela Companhia das Letras, a autora busca justamente dar voz e cores para a Guerra da Biafra, vista quase sempre por uma única lupa: como mais uma das tantas guerras civis que assolaram o continente.

O centro da narrativa é a casa de Odenigbo e Olanna em Nsukka, cidade universitária nigeriana. Odenigbo é um professor bem relacionado no campus, seguro de si, com voz ativa sobre a independência nigeriana, sobre costumes e heranças do colonialismo. Já Olanna é descendente da classe alta do país, filha de um influente empresário, mas que não se reconhece em seu meio familiar. O personagem mais empático, contudo, é Ugwu, que chega ainda muito novo para trabalhar na casa de Odenigbo, saído de um pequeno vilarejo no qual cada pedaço de peixe era disputado pela família. Seu assombro sobre os costumes descritos por sua tia nos cativa logo na primeira página:

Leia mais

[Divã] Um caso de amor com a literatura russa

Tudo começou quando fui pela primeira vez à Festa do Livro da USP, em 2008. Nas bancadas da Cosac Naify e da Editora 34, reluziam os clássicos russos – edições lindíssimas e traduções primorosas, todas com 50% de desconto. Daí pra frente, a coleção só aumentou: novos autores, novos títulos e nenhuma decepção.

Não é comum ver literatura russa na grade curricular dos colégios brasileiros. Como meus hábitos literários na infância e na adolescência eram totalmente influenciados pela escola, apenas na faculdade surgiu esse interesse.

Uma das minhas melhores lembranças da graduação de Jornalismo na USP é viver rodeada de leitores ávidos. Não demorou muito para o nome de Dostoiévski se destacar nas conversas, e eu me sentir um pouco envergonhada por não conhecer o autor.

Logo depois da minha primeira Festa do Livro, resolvi a questão. Devorei, em seguida, minhas primeiras aquisições: Anna Kariênina, de Liev Tolstói, e Crime e Castigo, de Fiódor Dostoiévski. Não poderia ter iniciado melhor. O atormentado Raskólnikov e a infeliz Anna me acompanharam por meses e meses. Quem me perguntasse sobre literatura naquela época, não ouviria nada diferente de Dostoiévski e Tolstói. Depois de anos tendo apenas Machado de Assis no meu rol de gênios literários, essa lista finalmente crescia.

Mas por que será que a literatura russa atravessa séculos, conquistando tantos leitores? O Brasil é tão distante da Rússia, geograficamente, politicamente e culturalmente. Ainda assim, não faltam fãs da literatura russa por aqui.

Leia mais

“As pessoas esperam que você chore quando seu pai morre. Que amaldiçoe o sistema porque ele foi assassinado pela polícia. Que lamente ser de classe média baixa e negro em um estado policial que protege apenas brancos endinheirados e estrelas de cinema de todas as raças (…). Mas não chorei. Achei que a morte dele era um truque.”

 

Paul Beatty em O Vendido

[Laços] Semana #3

A mudança de narrador, em Laços, de Domenico Starnone (Ed. Todavia), aprofundou o perfil psicológico dos personagens, enquanto fazemos, ao lado de Aldo e Vanda, um inventário de um apartamento destroçado. A proximidade dessa narrativa com Dias de Abandono, de Elena Ferrante, também fica mais visível a cada página. Está gostando da nona edição do Clube do Livro do Achados & Lidos? Conte para gente o que te marcou neste livro até aqui! Para a próxima semana, vamos até a página 80.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Laços está dividido em três livros: três pontos de vista sobre um passado comum. Na primeira parte, acompanhamos anos de amargura de Vanda, por meio de cartas dirigidas a Aldo, nas quais ela relata a dor do abandono, as dificuldades na criação dos filhos, as angústias de uma vida solitária.

No segundo livro, o narrador é Aldo e o passado ficou para trás. Aldo e Vanda estão juntos novamente e apenas alguns lampejos na narrativa sugerem o passado de mágoas da primeira parte.

Leia mais

[Resenha] Gente Pobre

Gente Pobre, primeiro romance de Fiódor Dostoiévski, foi publicado quando ele tinha apenas 25 anos. Antes mesmo do lançamento oficial do livro, o escritor já era sensação nos círculos literários russos, que se surpreenderam com a nova abordagem que o jovem trouxe à chamada “escola natural”, corrente do realismo russo em voga na época.

Nesse romance epistolar, Dostoiévski conta a história de Diévuchkin, um funcionário público das escalas mais baixas, e Varvara, uma jovem órfã e injustiçada. Por meio das cartas que os dois amigos trocam, nota-se que, a despeito de toda penúria de recursos que enfrentava, Diévuchkin age como um verdadeiro protetor da garota. Ela, por sua vez, também sempre se mostra disposta a ajudá-lo, sem se importar com os mexericos que tal relação poderia suscitar.

A pobreza dos personagens contrasta com a nobreza de seus sentimentos – uma fórmula até então tímida na literatura russa. Dostoiévski arrisca-se evidenciando que os pobres também eram capazes do comportamento virtuoso que se imaginava exclusividade dos ricos generosos. A classe que sempre fora retratada como receptora da bondade alheia se manifesta solidária, de maneira ainda muito mais genuína do que aqueles que abdicavam de recursos que não lhe fariam falta.

Dostoiévski retrata as classes oprimidas sem cair em uma análise excludente ou superficial, como acontecia nos ensaios fisiológicos dos tipos urbanos, que se apoiavam no mote clichê do homem pobre com destino trágico, uma vítima passiva de infortúnios.

Leia mais

< Posts mais antigos

© 2017 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑