Tag: clube de leitura (página 1 de 4)

[O Mestre e Margarida] Semana #8

Chegamos ao fim da primeira parte de O Mestre e Margarida, de Mikhail Bulgákov, com sua hilária história sobre o passeio de uma trupe diabólica pela Moscou dos anos 30. Como não poderia deixar de ser, mais alguns fatos insólitos tomaram lugar na capital, como um terno sem corpo e a transfiguração monetária. À medida que avançamos e conseguimos conectar os fios que ligam essa trama, mais aguçada fica nossa curiosidade!  A de vocês também? Continuem acompanhando conosco. Na próxima semana, vamos até o 22º capítulo, ou até a página 252 se você tem a edição da foto.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Desaparecimentos consecutivos levaram a uma situação para lá de insólita no Teatro de Variedades. Depois de um espetáculo memorável, no qual se distribuiu dinheiro (transformado em seguida em papéis sem valor) e roupas parisienses (que num passe de mágica, ou de magia negra, sumiram logo após a apresentação, deixando em trajes mínimos algumas das senhoras mais ávidas no teatro), o estabelecimento amanheceu mergulhado no caos. Logo pela manhã, a fila que se formava à porta já era tão grande que levou até mesmo a polícia a aparecer. Os telefones tocavam sem parar, mas um problema esdrúxulo se impunha aos funcionários:

O próprio Likhodêiev também não estava. A empregada Grúnia também não estava, e ninguém sabia onde se metera. O presidente da administração, Nikanor Ivánovitch, não estava, Prólejniev não estava.

Resultou algo absolutamente inacreditável: toda a cúpula da direção desaparecera, uma sessão terrivelmente escandalosa tivera lugar na véspera, mas não se sabia quem a realizara ou investigava.

Leia mais

[O Mestre e Margarida] Semana #7

Quem ficou levemente arrepiado com a leitura da última semana? _o/ O encontro macabro de Rímski com Varienukha e uma figura para lá de tenebrosa agitou o início desse trecho. Para a próxima semana, avançamos até o final da primeira parte de O Mestre e Margarida (Editora 34), de Mikhail Bulgákov, na página 217, caso tenha a edição da foto.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Se tem uma característica que já salta aos olhos na escrita de Bulgákov é sua capacidade de alternar trechos de muita ação e adrenalina com sequências puramente reflexivas ou descritivas. Esse balanço garante o ritmo da narrativa.

Após o espetáculo de magia negra do Teatro de Variedades, temos um thriller digno das telinhas de cinema. O diretor financeiro, Rímski, retorna ao seu escritório atordoado pelos acontecimentos da noite, enquanto nas ruas o burburinho em torno do show continua. Rímski não está muito confortável com os acontecimentos e pressente que algo ruim o espera:

Chegara a hora de agir, era preciso beber da amarga taça da responsabilidade.

Leia mais

[O Mestre e Margarida] Semana #3

Quem apostava em um romance de muita reflexão e pouca ação se surpreendeu na leitura da última semana! Para a próxima sexta, avançamos até a página 90 (capítulo 8).

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

A morte horrível de Berlioz acelerou o enredo de O Mestre e Margarida. Decapitado por um bonde em alta velocidade, o fim do editor foi ainda mais macabro, porque o Diabo, na figura do estrangeiro intrometido, havia premeditado alguns detalhes da tragédia minutos antes.

O acidente ocorre justamente quando os dois amigos tentavam se livrar da companhia, cada vez mais inconveniente e assustadora, do professor. Quando os amigos começam a questionar a veracidade da história que acaba de narrar, sobre a condenação de Jesus, ele revela que seu relato é cheio de certeza, porque ele havia presenciado o episódio:

– O caso é que… – daí o professor lançou um olhar temeroso ao redor e passou a falar aos sussurros – eu presenciei tudo isso em pessoa. Estive no balcão com Pôncio Pilatos, no jardim, quando ele falou com Caifás, e no tablado, só que em segredo, incógnito, como dizem, então lhes peço que não digam palavra a ninguém, e guardem o mais absoluto segredo! Psiu!

Leia mais

[O Mestre e Margarida] Semana #2

Um encontro inusitado e um diálogo de humor afiado marcaram o início de O Mestre e Margarida. Já pressentimos uma ótima leitura pela frente! Para a próxima semana, vamos até a página 72 (capítulo 6).

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Uma conversa entre dois amigos, um poeta e seu editor,  e um terceiro desconhecido que se intromete. Até aí, nada de muito novo. Mas à medida que o diálogo avança, percebemos que esse desconhecido não é uma criatura comum. Parece estrangeiro, embora apresente um russo perfeito (além de várias outras línguas). Tem uma fala eloquente, sendo capaz de discutir os temas mais polêmicos, com uma erudição impressionante. Sua aparência também  não passa despercebida:

Antes de tudo: o descrito não mancava de nenhuma das pernas, e a estatura não era pequena nem imensa, porém simplesmente elevada. No que tange aos dentes, do lado esquerdo as coroas eram de platina e, do direito, de ouro. Trajava um caro terno cinza e sapatos estrangeiros da cor do terno. Trazia uma boina cinza de lado e, debaixo do braço, uma bengala com um castão preto na forma de uma cabeça de poodle. Aparentava uns quarenta e poucos anos. A boca era meio torta. Bem barbeado. Moreno. O olho direito era preto, o esquerdo, por algum motivo, verde. Sobrancelhas pretas, só que uma mais alta do que a outra. Em suma, um estrangeiro.

Leia mais

[Resenha] O Leopardo

Se quisermos que tudo continue como está, é preciso que tudo mude.

A emblemática frase de O Leopardo, de Giuseppe Tomasi di Lampedusa (TAG Livros/Companhia das Letras, 381 páginas), resume com exatidão a sensação de resignação que nos devora quando somos confrontados com grandes mudanças. Não à toa, é um dos aforismo mais conhecidos da literatura.

Dita por Tancredi, sobrinho de Fabrizio de Corbèra, príncipe de Salina e personagem central neste romance, a frase indica a inevitabilidade das transformações que marcariam a Itália na segunda metade do século XIX. O Leopardo retrata justamente esse meio século de profundas alterações no cenário econômico, político e social do país, com a unificação da Itália, até então dividida em reinos sob  o domínio de potências estrangeiras, a ascensão da burguesia e o ocaso da nobreza.

Leia mais

Posts mais antigos

© 2018 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑