Tag: clube de leitura (página 1 de 3)

[O Mestre e Margarida] Semana #2

Um encontro inusitado e um diálogo de humor afiado marcaram o início de O Mestre e Margarida. Já pressentimos uma ótima leitura pela frente! Para a próxima semana, vamos até a página 72 (capítulo 6).

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Uma conversa entre dois amigos, um poeta e seu editor,  e um terceiro desconhecido que se intromete. Até aí, nada de muito novo. Mas à medida que o diálogo avança, percebemos que esse desconhecido não é uma criatura comum. Parece estrangeiro, embora apresente um russo perfeito (além de várias outras línguas). Tem uma fala eloquente, sendo capaz de discutir os temas mais polêmicos, com uma erudição impressionante. Sua aparência também  não passa despercebida:

Antes de tudo: o descrito não mancava de nenhuma das pernas, e a estatura não era pequena nem imensa, porém simplesmente elevada. No que tange aos dentes, do lado esquerdo as coroas eram de platina e, do direito, de ouro. Trajava um caro terno cinza e sapatos estrangeiros da cor do terno. Trazia uma boina cinza de lado e, debaixo do braço, uma bengala com um castão preto na forma de uma cabeça de poodle. Aparentava uns quarenta e poucos anos. A boca era meio torta. Bem barbeado. Moreno. O olho direito era preto, o esquerdo, por algum motivo, verde. Sobrancelhas pretas, só que uma mais alta do que a outra. Em suma, um estrangeiro.

Leia mais

[Resenha] O Leopardo

Se quisermos que tudo continue como está, é preciso que tudo mude.

A emblemática frase de O Leopardo, de Giuseppe Tomasi di Lampedusa (TAG Livros/Companhia das Letras, 381 páginas), resume com exatidão a sensação de resignação que nos devora quando somos confrontados com grandes mudanças. Não à toa, é um dos aforismo mais conhecidos da literatura.

Dita por Tancredi, sobrinho de Fabrizio de Corbèra, príncipe de Salina e personagem central neste romance, a frase indica a inevitabilidade das transformações que marcariam a Itália na segunda metade do século XIX. O Leopardo retrata justamente esse meio século de profundas alterações no cenário econômico, político e social do país, com a unificação da Itália, até então dividida em reinos sob  o domínio de potências estrangeiras, a ascensão da burguesia e o ocaso da nobreza.

Leia mais

[Canção de Ninar] Semana #7

A dificuldade de encarar sua dura realidade e a inevitável comparação com a vida alheia tornam a existência de Louise cada vez mais amarga. Os rastros de ódio que a levam ao ato brutal do início do romance já são evidentes e assustadores. Para a próxima semana, avançamos até a página 169 e ficamos a quatro capítulos do fim Canção de Ninar!

Mariane Domingos e Tainara Machado

O regresso dos patrões, depois da temporada nas montanhas, não traz boas notícias à Louise. Logo que eles se reencontram, Paul confronta a babá com uma notícia que chocou o casal. De imediato, ela pensa que os vizinhos a denunciaram, relatando os dias que ela passou no apartamento do casal, durante sua ausência. No entanto, não se trata disso. Paul e Myriam receberam uma notificação do Tesouro que revelava as dívidas de Louise e seu desinteresse em negociar o valor devido.

A babá se sente quase aliviada, quando percebe que os patrões não descobriram seu deslize durante as breves férias. A revelação dos seus problemas financeiros lhe inspira menos temor do que a descoberta de seu comportamento, cada vez mais obsessivo, de negação da própria realidade. Louise vive em um estado constante de fuga:

Louise queria tanto ficar. Dormir lá, no pé da cama de Mila. Não faria barulho, não incomodaria ninguém. Louise não quer voltar para o seu apartamento. A cada noite ela volta um pouco mais tarde e anda pela rua, com os olhos baixos, o cachecol erguido até o queixo.

Leia mais

[Canção de Ninar] Semana #6

Que tipo de renúncias os casais fazem quando decidem ter filhos? Elas são mais cruéis para as mães por fatores naturais ou por convenções da sociedade? É possível mudar essa realidade ou a culpa sempre será um sentimento para as mães que optam por conciliar carreira e maternidade? Esses dilemas aparecem com cada vez mais força em Canção de Ninar, de Leïla Slimani. Está nos acompanhando nesta leitura? Então conte para a gente sua opinião sobre esses temas. Para a próxima semana, avançamos até a página 142.

Mariane Domingos e Tainara Machado

– Vamos viajar e levaremos as crianças com a gente. Você vai ser uma grande advogada, eu produzirei artistas de sucesso e nada mudará.

Eles fizeram de conta, eles lutaram.

A frase de Paul, que logo é contestada pelo narrador de Canção de Ninar, mostra que Leïla Slimani não guarda meias palavras quando é preciso expor os dilemas inerentes à decisão de ter filhos. Quando Myriam engravida de Mila, o casal ainda guarda a fantasia de que nada em sua rotina conjugal irá mudar, uma realidade que logo se mostra bem mais dura.

Leia mais

[O Retrato de Dorian Gray] Semana #9

O que o final desse romance reserva ao personagem de Dorian Gray? Com uma personalidade cada vez mais sombria e perigos se multiplicando à sua volta, estamos curiosas para saber o desfecho dessa história. Para a próxima semana, leremos os capítulos 17 e 18, até a página 243 se você tem essa edição da foto (da Penguin-Companhia) de O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Depois de assassinar o pintor Basil Hallward e chantagear um amigo para ajudá-lo a se livrar do corpo, Dorian Gray segue levando a vida como se nada houvesse, atormentado apenas por alguns poucos lapsos de consciência, que nunca duram o suficiente para fazê-lo se arrepender.

Em sua primeira aparição depois do crime, em um jantar festivo, Gray mantém as aparências, embora os amigos mais próximos percebam que ele está distante. Vestir uma máscara, nos mostra Wilde, não era nenhum esforço para o personagem, tão acostumado a esconder o segredo da podridão de sua alma. Ao usar a primeira pessoa do plural, Wilde generaliza essa vida de aparências e faz uma provocação ao leitor:

Talvez nunca nos sintamos tão à vontade como quando temos de representar um papel.

Leia mais

Posts mais antigos

© 2018 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑