Tag: literatura brasileira (página 1 de 6)

“O homem feliz é o que não tem passado. O maior dos castigos, para o qual só há pior no inferno, é a gente recordar. Lembrança que vem de repente e ataca como uma pontada debaixo das costelas, ali onde se diz que fica o coração. (…) O passado te persegue, como um cão perverso nos teus calcanhares. Não há dia claro, nem céu azul, nem esperança de futuro, que resista ao assalto das lembranças.”

 

Rachel de Queiroz em Memorial de Maria Moura

[Resenha] As Perguntas

Alina é uma jovem de quase trinta anos que leva uma vida absolutamente pacata em uma São Paulo cada vez mais caótica. Até que uma investigação policial a leva a questionar algumas certezas sobre vida, morte e religião. Em As Perguntas, novo livro de Antônio Xerxenesky, lançado pela Companhia das Letras neste mês, há pouco espaço para respostas.

O romance, bastante intrigante, une em uma mesma narrativa questionamentos sobre o pesadelo cotidiano e uma história de terror que nos faz colocar em dúvida nossas crenças mais arraigadas. O autor, selecionado como um dos 20 melhores jovens escritores brasileiros pela revista literária Granta, volta a um tema que já havia sido explorado em seu livro anterior, F., o ocultismo.

A história se passa em um único dia da vida de Alina, com algumas pequenas pinceladas sobre  momentos passados que contextualizam a história. As primeiras páginas do livro são enigmáticas. Alina relembra os pesadelos em que acordava ainda cercada por sombras. Seus pais, ferrenhos defensores do pragmatismo da ciência, explicavam que era um “truque” do cérebro, e Alina acabou convencida.

Leia mais

“Ausência

Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.”

 

Carlos Drummond de Andrade em O Corpo

“É difícil perder-se. É tão difícil que provavelmente arrumarei depressa um modo de me achar, mesmo que achar-me seja de novo a mentira de que vivo.”

 

Clarice Lispector em A Paixão Segundo G.H.

“Apostava-se a vida no que acreditávamos ser maior que a nossa própria vida. Encher de sentido o tempo era, então, mais urgente pois tão passageiro, urgência de marcar o mundo com nossa existência, mesmo que arriscando-nos a torná-la ainda mais breve.”

 

Maria Valéria Rezende em Outros Cantos

Posts mais antigos

© 2017 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑