Tag: A Máquina de Fazer Espanhóis (página 2 de 4)

[A Máquina de Fazer Espanhóis] Semana #11

[A Máquina de Fazer Espanhóis] Semana #11

Reta final de A Máquina de Fazer Espanhóis! Nesse último trecho lido, um pouco de suspense deixou no ar a possibilidade de um desfecho com emoções. Quais são os seus palpites? Na próxima semana, concluímos a leitura e nos despedimos de António e do Lar da Feliz Idade.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Desde o início do romance, a narrativa se concentra em alguns moradores do Lar da Feliz Idade. No capítulo 19, Valter Hugo Mãe nos dá a chance de conhecer outros internos. Em uma descrição que António faz do horário do almoço, conhecemos grupinhos de pessoas, que assim como ele, senhor Pereira, Silva da Europa e Esteves, formaram laços de amizade fundamentais para trazer leveza ao dia a dia no asilo.

É interessante a maneira como Hugo Mãe conduz essa descrição. A disposição das mesas no pátio e as observações de António acerca do comportamento alheio lembram muito um ambiente escolar, em que a forma como todos se organizam diz bastante sobre seus hábitos, relacionamentos e a posição que ocupam em determinado grupo social:

o salão de almoço era longo e largo, com mais de quarenta mesas rectangulares, que serviam para um máximo de seis pessoas, e cinco redondas onde, em cada uma, se podiam sentar seis pessoas. Eu sentava-me, desde o primeiro dia, na mesa redonda mais à esquerda.

Leia mais

[A Máquina de Fazer Espanhóis] Semana #10

Estamos agora bem perto do fim da leitura de A Máquina de Fazer Espanhóis e detetives continuam a visitar o Lar da Feliz Idade em busca de indícios de possíveis crimes no asilo. Ao mesmo tempo, António é confrontado com um dilema incontornável: qual será o seu legado quando seus dias acabarem? Curiosos para saber o desfecho dessa trama? Então continuem nos acompanhando! Na próxima semana, avançamos mais dois capítulos de A Máquina de Fazer Espanhóis – até a página 241, se você tem a edição da Biblioteca Azul, ou até a página 231, se você tem a edição da Cosac Naify.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Alguns capítulos de A Máquina de Fazer Espanhóis nos impressionam pela incrível capacidade que Valter Hugo Mãe tem de sintetizar ideias e pensamentos em algumas poucas páginas.

O décimo oitavo capítulo, um ótimo exemplo desse fôlego narrativo de Hugo Mãe, se inicia com mais uma demonstração da raiva que repousa dentro de António. As visitas de sua filha são sempre um evento traumático em seu cotidiano no Lar da Feliz Idade. Mais recentemente, ele transformou em hábito a atividade de espezinhar as flores que Elisa deposita regularmente no túmulo da mãe após suas visitas.

A atitude infantil de António expõe, como em tantos outros momentos, o fato de que a senilidade muitas vezes nada mais é do que um regresso aos hábitos dos primeiros anos de vida, só que em estágio mais triste, pois se regride, em vez de avançar. As birras do idoso, contudo, contrastam com seu pleno domínio das razões pelas quais não gostaria de ver flores enfeitando o túmulo da esposa:

nenhuma beleza havia de se erguer levianamente diante de mim naquele lugar onde devia tanger o corpo da minha mulher. nenhuma beleza vestiria aquela brancura para me enganar do vazio da pedra, do frio da pedra, do modo como a pedra nem ouvia nem falava.

Leia mais

[A Máquina de Fazer Espanhóis] Semana #9

Os fantasmas do presente e do passado perturbam os dias de António no Lar da Feliz Idade. A morte de dona Marta e os problemas de saúde do senhor Pereira resgatam memórias que o narrador julgava esquecidas. Na próxima semana, avançamos mais dois capítulos de A Máquina de Fazer Espanhóis – até a página 211, se você tem a edição da Biblioteca Azul, ou até a página 202, se você tem a edição da Cosac Naify.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Delírio, sentimentos represados e confusão mental. A luta do corpo são contra a cabeça doente é um dos temas desse trecho da leitura. Na figura do próprio António e também do senhor Pereira, que começa a fazer xixi na cama como uma criança, Valter Hugo Mãe põe em discussão a tragédia que é a decadência do órgão responsável por moldar nossa condição humana:

a velhice, pensei, é o cérebro que alui corpo abaixo, até ficar a atrapalhar o funcionamento dos outros órgãos.

Leia mais

[A Máquina de Fazer Espanhóis] Semana #8

A morte de um querido amigo foi um golpe duro para António, mas uma nova ideia parece, mais uma vez, lhe despertar de seu estupor e o colocar de frente para a vida. Continuamos a acompanhar as reviravoltas no Lar da Feliz Idade, em A Máquina de Fazer Espanhóis, de Valter Hugo Mãe. Na próxima semana, avançamos mais dois capítulos – até a página 198, se você tem a edição da Biblioteca Azul, ou até a página 186, se você tem a edição da Cosac Naify.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

a morte do joão da silva esteves, glorioso esteves cheio de metafísica, foi um duro golpe.

O início do capítulo treze de A Máquina de Fazer Espanhóis nos relembra que, na guerra contra a morte, uma hora ou outra vamos levar a pior. Mesmo assim, Esteves sem metafísica cairia de pé, se é possível assim dizer.

A morte, conta doutor Bernardo a António, o encontrou sorrindo, no meio de uma história. O que Esteves contava eram justamente os acontecimentos da noite passada, quando um pesadelo no qual uma máquina de roubar a metafísica dos homens lhe perseguia acabou levando-o a encerrar a noite no quarto de António. O personagem fica profundamente abalado pela notícia da morte do amigo que acabara de completar cem anos.

a longevidade dele foi uma demorada marcha contra a derrota.

Leia mais

[A Máquina de Fazer Espanhóis] Semana #7

Estamos apreensivas: o que terá acontecido no Lar da Feliz Idade? Depois de testemunhar o sofrimento do amigo Esteves e remexer em algumas memórias, António é surpreendido por uma notícia horrorosa, que descobriremos na leitura da próxima semana de A Máquina de Fazer Espanhóis, de Valter Hugo Mãe. Avançamos mais dois capítulos – até a página 175, se você tem a edição da Biblioteca Azul, ou até a página 161, se você tem a edição da Cosac Naify.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Prestes a completar 100 anos, em vez de ganhar um presente, Esteves recebeu um castigo: a mudança de quarto. Perdeu o direito à vista esperançosa das crianças a esbanjar juventude e se viu obrigado a dividir o espaço com o senhor Medeiros, dono de um corpo inerte, não fosse pelo olhar e pelos gemidos inquietantes.

o esteves dizia que já muito tempo havia passado, e que aquilo era um desrespeito pelo seu centésimo aniversário. uma data tão bonita, uma vitória tão grande do seu espírito sobre a vida, e o feliz idade fazia-lhe aquela desfeita, metendo-o à varanda do cemitério para se convencer a desistir mais depressa.

Não é a primeira vez que percebemos no romance a ideia da vida como uma luta constante. O verbo “desistir” nesse contexto vem bem a calhar. Viver é um ato de bravura, mais ainda quando a velhice já é um fato, como no caso do amigo centenário de António.

Leia mais

Posts mais antigos Post mais recentes

© 2019 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑