Tag: tetralogia napolitana

“Queria a certeza plana dos dias normais, mesmo sabendo bem que no corpo perdurava um movimento frenético e outro, uma rápida aparição, como se tivesse visto no fundo de um buraco um horrível inseto venenoso e cada parte de mim estivesse ainda se retraindo e agitando os braços, as mãos, as pernas. Preciso aprender  de novo – disse – o passo tranquilo de quem acha que sabe aonde está indo e por quê.”

 

Elena Ferrante em Dias de Abandono

[Lista] 5 sugestões de presentes para o Natal

Quem disse que ganhar livro de presente de Natal é chato? Aqui no Achados e Lidos, temos sugestões para todo tipo de “freguês”: de novidades nas prateleiras à história de reis e rainhas, passando por Harry Potter e queridinhos do blog, temos certeza que na lista abaixo tem uma sugestão que vai te agradar neste fim de ano. Ah, e pode guardar as sugestões para 2017 também! Afinal, leitura nenhuma precisa de data comemorativa, não é?

1. Para quem ama história, reis e castelos: Os Románov, de Simon Sebag Montefiore

Os Románov foi um dos meus pedidos de Natal. Se você, assim como eu, adora histórias de realeza, conspirações e brigas por poder, não pode perder esse lançamento. Neste livro, o premiado historiador Simon Sebag Montefiore remonta, com muitos detalhes, os três séculos de domínio da família Románov na Rússia imperial.

É um catatau de mais de 900 páginas, mas pretendo me divertir desvendando essa imensa árvore genealógica nas horas de ócio de fim de ano. Além disso, é o tipo do livro que fica lindo na estante e faz brilhar os olhos de quem o recebe!

Leia mais

[Resenha] História de Quem Foge e de Quem Fica

O terceiro volume da tetralogia napolitana de Elena Ferrante, publicado no Brasil pelo selo Biblioteca Azul, não só mantém o vigor narrativo dos dois primeiros livros como amplia fronteiras e aprofunda relações [leia também a resenha de A Amiga Genial e História do Novo Sobrenome]. A amizade entre Elena Greco e Rafaella Cerullo cede espaço, como tema central, para a crescente tensão social na Itália das décadas de 60 e 70. A desigualdade, pano de fundo sempre presente nas histórias do bairro, ganha protagonismo quando Elena “foge” e Lila fica em Nápoles.

Elena Greco, a narradora, sempre soube que precisava deixar o bairro e via como válvula de escape a educação. Com autodisciplina, persistência e o apoio velado da mãe ( apesar dos conflitos entre as duas), consegue se formar, escrever e publicar um livro, o que lhe abre as portas da academia, dos jornais e até de uma proeminente família milanesa, os Airota.

Leia mais

© 2020 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑