Tag: o mestre e margarida (página 2 de 3)

[O Mestre e Margarida] Semana #7

Quem ficou levemente arrepiado com a leitura da última semana? _o/ O encontro macabro de Rímski com Varienukha e uma figura para lá de tenebrosa agitou o início desse trecho. Para a próxima semana, avançamos até o final da primeira parte de O Mestre e Margarida (Editora 34), de Mikhail Bulgákov, na página 217, caso tenha a edição da foto.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Se tem uma característica que já salta aos olhos na escrita de Bulgákov é sua capacidade de alternar trechos de muita ação e adrenalina com sequências puramente reflexivas ou descritivas. Esse balanço garante o ritmo da narrativa.

Após o espetáculo de magia negra do Teatro de Variedades, temos um thriller digno das telinhas de cinema. O diretor financeiro, Rímski, retorna ao seu escritório atordoado pelos acontecimentos da noite, enquanto nas ruas o burburinho em torno do show continua. Rímski não está muito confortável com os acontecimentos e pressente que algo ruim o espera:

Chegara a hora de agir, era preciso beber da amarga taça da responsabilidade.

Leia mais

[O Mestre e Margarida] Semana #6

Nas últimas páginas, vivemos mais alguns momentos insólitos na narrativa de O Mestre e Margarida, de Mikhail Bulgákov. A trupe do diabo subiu ao palco no Teatro de Variedades e, claro, a apresentação deixou todos desconcertados. Em seguida, de volta à clínica para loucos em que se encontra Bezdômny, fomos apresentados a outra figura-chave deste romance: o Mestre! Está acompanhando a leitura conosco? Então não deixe de comentar conosco o que mais tem chamado sua atenção neste livro. Na próxima semana vamos até a página 186, ou capítulo 17, caso você não tenha a edição da foto, da Editora 34!

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

A chegada de Woland e sua trupe ao teatro de Variedades causou comoção entre os habitantes de Moscou.

Em mais uma cena delirante, em que Bulgákov usa todas as suas ferramentas de dramaturgo para nos ambientar neste espetáculo, truques de mágica banais são substituídos por efeitos realmente assombrosos: baralhos aparecem no bolso da plateia, cédulas começam a jorrar acima dos espectadores e um guarda-roupa dos sonhos se materializa no centro do palco, com sapatos e roupas vindos diretamente dos melhores costureiros de Paris.

Não poderia ser diferente: mestres da magia negra, a trupe do diabo não encena simples mágicas. Todos os seus truques mexem com sentimentos violentos da plateia, da ganância à soberba, passando pela vaidade. São os pecados capitais – e o próprio capitalismo – que o diabo busca fazer aflorar nessa sociedade em que, no papel, todos são iguais aos outros. “São pessoas como as outras. Gostam de dinheiro, mas isso sempre houve”, comenta de passagem o diabo.

Leia mais

[O Mestre e Margarida] Semana #5

De uma coisa já temos certeza: o destino de quem cruza o caminho dessa trupe diabólica é sempre trágico. Prisão, hospício ou a morte – não há escapatória. Na próxima semana vamos até a página 156, ou capítulo 14, caso você não tenha a edição da foto!

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Precisava, agora e ali mesmo, inventar explicações ordinárias para fenômenos extraordinários.

O diretor Rímski não está sozinho nessa. Esse parece ser o fim de todos que esbarram no Diabo e sua trupe. Depois de o diretor do Variedades ter sido despachado para Ialta, foi a vez de Nikanor Ivánovitch, presidente da associação de moradores do edifício 302-bis, e o próprio Rímski, diretor financeiro do teatro, sofrerem as consequências desse encontro.

Leia mais

[O Mestre e Margarida] Semana #4

Entre desaparecimentos suspeitos e um ambiente endiabrado, continuamos a mergulhar no passeio por Moscou proposto por Mikhail Bulgákov em O Mestre e Margarida. De forma provocativa, o autor russo coloca o diabo como o mestre da magia negra, capaz de fazer desaparecer pessoas com facilidade. Pelo paralelo com Stálin e as críticas nem sempre sutis ao regime político da União Soviética, o livro de Bulgákov só foi publicado em seu país em 1973. Continuamos empolgados com essa leitura ao mesmo tempo espantosa e intrigante!  Está acompanhando conosco? Na próxima semana vamos até a página 124, ou capítulo 12, caso você não tenha a edição da foto!

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Não existe infelicidade maior do que a perda da razão.

Esse pensamento, que vem à mente do poeta Riúkhin ao deixar a clínica psiquiátrica, onde foi instalado Bezdômny, provoca uma reflexão interessante no leitor de O Mestre e Margarida. Ao narrar a chegada do Diabo e de sua comitiva à Moscou, em uma prosa delirante, o autor russo parece questionar a sanidade de todo um povo diante do autoritarismo de um regime em que as pessoas desapareciam do dia para a noite, sem deixar vestígios.

Leia mais

[O Mestre e Margarida] Semana #3

Quem apostava em um romance de muita reflexão e pouca ação se surpreendeu na leitura da última semana! Para a próxima sexta, avançamos até a página 90 (capítulo 8).

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

A morte horrível de Berlioz acelerou o enredo de O Mestre e Margarida. Decapitado por um bonde em alta velocidade, o fim do editor foi ainda mais macabro, porque o Diabo, na figura do estrangeiro intrometido, havia premeditado alguns detalhes da tragédia minutos antes.

O acidente ocorre justamente quando os dois amigos tentavam se livrar da companhia, cada vez mais inconveniente e assustadora, do professor. Quando os amigos começam a questionar a veracidade da história que acaba de narrar, sobre a condenação de Jesus, ele revela que seu relato é cheio de certeza, porque ele havia presenciado o episódio:

– O caso é que… – daí o professor lançou um olhar temeroso ao redor e passou a falar aos sussurros – eu presenciei tudo isso em pessoa. Estive no balcão com Pôncio Pilatos, no jardim, quando ele falou com Caifás, e no tablado, só que em segredo, incógnito, como dizem, então lhes peço que não digam palavra a ninguém, e guardem o mais absoluto segredo! Psiu!

Leia mais

Posts mais antigos Post mais recentes

© 2019 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑