Tag: literatura inglesa (página 1 de 2)

[Resenha] NW

Nossas origens nos definem? Neste romance, NW, um “épico urbano” nas palavras de Joyce Carol Oates, a escritora britânica Zadie Smith mergulha na multiculturalidade de um bairro londrino para criar quatro histórias que se entrelaçam e comprovam que o destino de um indivíduo é muito mais complexo do que uma simples somatória de contexto e educação.

Os quatro personagens principais – Leah, Natalie, Nathan e Felix – cresceram em Kilburn, na região de NW, bairro londrino moldado por sucessivas ondas migratórias. Na idade adulta, eles voltam a se encontrar, carregando trajetórias e escolhas diferentes, mas um passado em comum.

Natalie, filha de jamaicanos, driblou as expectativas da sociedade, formou-se em Direito, casou-se com um homem rico e desenvolveu uma carreira sólida. Sua vida familiar, no entanto, é uma bomba relógio, muito bem disfarçada, mas prestes a explodir. Leah, melhor amiga de Natalie e de descendência irlandesa, contrariou o sonho da mãe de vê-la em um posto bem remunerado, quando decidiu se dedicar ao trabalho humanitário e casar-se com um imigrante francês, cabelereiro e de ascendência africana. Nathan, errante desde sua adolescência, seguiu exatamente o caminho anunciado: drogas, violência e rua. Já Felix conseguiu superar o vício, mas não os obstáculos para uma carreira promissora. O aspirante a cineasta termina como um mecânico de carros com uma vida amorosa bastante conturbada.

Leia mais

[Enclausurado] Semana #9

Estamos na reta final da leitura de Enclausurado, de Ian McEwan, e o cerco está se fechando em torno de Trudy e Claude. O trabalho investigativo da polícia segue e, embora os amantes trabalhem para limpar todos os rastros, ainda não é possível comemorar um plano perfeito. Na próxima semana, avançamos mais três capítulos até o final do livro. Estamos curiosas por esse desfecho!

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Quando Elodia chega à casa de Trudy, inicia-se mais um ato bem ensaiado dessa história que é uma verdadeira peça de teatro. Foi ela quem reconheceu o corpo de John no necrotério, fato que a posiciona como uma personagem importante para as investigações policiais e para o sucesso ou o fracasso do plano arquitetado pelos amantes.

Elodia, mais do que ninguém, tem que comprar a ideia de que John era uma pessoa instável e capaz de cometer suicídio. Para o azar de Claude e Trudy, ela chega à mansão convicta de que esse não era o perfil do amigo. A mãe do feto inicia, então, uma atuação emotiva sobre como o ex-marido tinha uma tendência para fazer mal a si mesmo. A declaração de Elodia à polícia acontecerá no dia seguinte. Os assassinos precisam ser rápidos e convincentes.

O aspecto mais marcante dessa cena é a avaliação que o narrador, protegido em seu casulo, faz das agendas ocultas de cada personagem. Ele já conhece bem a mãe e o tio, portanto é capaz de identificar os gestos ensaiados em cada fala. No entanto, ele sabe pouco sobre Elodia. Suas indagações acerca das verdadeiras motivações da poeta deixam no ar o suspense: será que ela está acreditando no que lhe dizem ou só empreendeu aquela visita para confirmar suas suspeitas sobre a culpabilidade da ex-mulher e seu amante?

Leia mais

[Enclausurado] Semana #2

Ao longo dos dois primeiros capítulos de Enclausurado, de Ian McEwan, nos acostumamos ao espaço exíguo em que vive o narrador, conhecemos melhor sua mãe e, aos poucos, vamos descobrindo qual é o plano tenebroso que ela e Claude arquitetam. O narrador pode até ser um feto, mas não perde a ironia e o humor ácido que marcam a obra do autor inglês! Animados para os próximos capítulos? Para sexta-feira que vem, vamos até a página 49. Acompanhe com a gente!

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Então aqui estou, de cabeça para baixo, dentro de uma mulher.

Como já escrevemos em outro post, a primeira frase de Enclausurado é tão marcante quanto outros inícios clássicos, como a abertura de A Metamorfose, de Franz Kafka. A chave aqui, assim como em Kafka, é dar um verniz de realidade a uma impossibilidade física, algo que discutimos no primeiro post deste Clube do Livro.

De partida, Ian McEwan nos situa dentro do útero de Trudy, um espaço apertado em que mal se pode “mexer um dedo”. Aceitar esse ponto de vista, porém, não significa abdicar da realidade. Todas as situações imaginárias são muito bem amarradas – cada devaneio tem uma explicação que habita o plausível.

Leia mais

“Assim é que, no decorrer de nossas vidas, nossas maiores fraquezas e mesquinharias costumam ser motivadas pelas pessoas que mais desprezamos.”

 

Charles Dickens em Grandes Esperanças

[Resenha] Sobre a Beleza

As famílias são microcosmos da sociedade. A escritora inglesa Zadie Smith explora essa ideia, com maestria, ao dar vida aos Belsey, clã que protagoniza seu romance Sobre a Beleza, obra finalista do Man Booker Prize e vencedora do prêmio Orange, de ficção.

Howard Belsey, inglês, branco e professor universitário, é casado há trinta anos com Kiki, uma enfermeira afro-americana. Eles são pais de Jerome, estudante de Brown, Zora, que frequenta a universidade em que o pai leciona, e Levi, um colegial que despreza o ambiente acadêmico de sua família. Já na descrição da casa dos Belsey, em Wellington, na Nova Inglaterra, Smith introduz com sutileza questões raciais e sociais que irão permear toda a narrativa:

A escada em si é um espiral íngreme. Para oferecer distração na descida, foi pendurada nas paredes uma galeria fotográfica da família Belsey (…). Estão dispostos em triunfante e calculada sequência: a tataravó de Kiki, uma escrava doméstica; a bisavó, criada; e depois sua avó, uma enfermeira. Foi a enfermeira Lily que herdou toda essa casa de um benevolente médico branco ao lado do qual trabalhou vinte anos na Flórida. Uma herança dessa escala muda tudo para uma família pobre americana; ela se torna classe média.

Leia mais

Posts mais antigos

© 2018 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑