Tag: mia couto (página 1 de 2)

“Todos os dias parimos o mesmo filho – diz Dabondi. Todos os dias o cordão umbilical renasce para voltar a ser decepado. Durante a vida inteira a mãe recomeça o parto, escuta o primeiro choro, sente o primeiro riso. Todo o parto infinitamente se reparte.”

 

Mia Couto em O bebedor de horizontes – As areias do imperador 3

[Lista] 5 autores para comemorar a literatura lusófona

Você sabia que agora pode ajudar o blog a se manter? Caso tenha gostado de algum autor desta lista, pode comprá-los clicando nos links desta página ou aqui!

No próximo sábado, 5 de maio, comemora-se o Dia da Língua Portuguesa. A comunidade lusófona é formada por 9 Estados (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste) – uma diversidade de sotaques e culturas que faz nosso idioma ainda mais rico.

Para celebrar a data, preparamos uma lista com cinco escritores de língua portuguesa, que se destacam por elevar nosso idioma a outro patamar a partir da literatura.

São autores que nos deixam felizes por termos o português como língua materna, pois assim podemos lê-los no original e apreciar cada significado de sua escrita.

1. Clarice Lispector: uma literatura que escancara a alma humana e desafia os limites da linguagem. Lispector é o perfeito equilíbrio entre forma e conteúdo. Em suas mãos, as palavras estão a serviço do mais nobre propósito: a busca pela essência das coisas. Neste trecho de A Paixão Segundo G.H., essa árdua missão é brilhantemente descrita:

O nome é um acréscimo e impede o contato com a coisa. O nome da coisa é um intervalo para a coisa. A vontade do acréscimo é grande – porque a coisa nua é tão tediosa.

2. João Guimarães Rosa: se tem algo difícil de imaginar é uma obra de Guimarães Rosa traduzida. O mineiro, nascido em Cordisburgo, reinventou a língua portuguesa com a genialidade de sua literatura.

Carlos Drummond de Andrade, outro dos nossos gênios, até tentou desvendar seus segredos no poema Um Chamado João:

Leia mais

[Lista] 24 livros para ler em 2018 (parte 2)

Depois da lista da Mari, recheada de boas dicas (especialmente se você colocou entre suas metas para 2018 ler mais mulheres), agora é a minha vez de selecionar 12 títulos para ler em 2018. Tentei me desafiar e incluir mais clássicos, novos autores e gêneros. Confira a lista abaixo e conte nos comentários em qual leitura você vai me acompanhar neste ano!

1. Frankenstein, de Mary Shelley, completa 200 anos de publicação em 2018. Ótima desculpa para revisitar uma das mais famosas histórias da literatura, com mais de 300 edições e 90 adaptações para o cinema em todo o mundo, não é? Li esse livro (em uma versão adaptada) na adolescência, mas é hora de encarar a versão original do Prometeu Moderno.

2. Clarice, de Benjamin Moser, entrou na lista como a biografia selecionada para o ano. Como já contei aqui, gosto muito desse gênero, e sempre mesclo minhas leituras de ficção com obras não-ficcionais. No entanto, percebi que a lista publicada no começo do blog é dominada por homens. Para mudar isso, vou me dedicar à história de uma das nossas autoras mais incríveis, escrita com maestria por um dos maiores conhecedores de sua obra, Benjamin Moser.

Leia mais

[Lista] 5 séries de livros que merecem lugar na estante

Além de ficarem lindas na prateleira, as séries são uma ótima pedida para aquele leitor que ama acumular livros e se sente órfão quando vira a última página de um romance. Na lista de hoje, separei quatro trilogias e uma tetralogia que merecem um (bom) espaço na sua estante:

1. História do Pranto, História do Cabelo e História do Dinheiro, de Alan Pauls: nessa trilogia, de títulos tão peculiares quanto a narrativa que anunciam, Pauls aborda de maneira muito original uma década complexa e pesada da história argentina – os anos 70.

A partir da lágrima, do cabelo e do dinheiro – gatilhos aparentemente banais e que se assemelham por serem elementos que estamos fadados a perder – Pauls disseca a sociedade argentina do período em uma estrutura narrativa desafiadora e brilhante, que não se baseia na ordem cronológica, mas sim nas conexões de sentimentos e nos arroubos da memória.

Os três livros podem ser lidos aleatoriamente, mas quem seguir a ordem de publicação será premiado com uma curva ascendente de qualidade. História do Dinheiro, fechamento da trilogia, é o meu preferido:

Aquela que perdeu tudo perdeu muito mais que sua fortuna. Perdeu a margem preciosa de tempo que sua fortuna lhe concedia, esse intervalo, essa espécie de colchão mágico que a separava de uma experiência imediata das coisas. Perder tudo a condenou a um inferno pior que a pobreza: o inferno de viver no presente.

Leia mais

“Não era tanto a pobreza que o derrubava. Mais grave era a riqueza germinada sabe-se lá em que obscuros ninhos. E a indiferença dos poderosos para com a miséria dos irmãos.”

 

Mia Couto em Um Rio Chamado Tempo, Uma Casa Chamada Terra

Posts mais antigos

© 2019 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑