Tag: laços (página 1 de 2)

“Em toda casa há uma ordem aparente e uma desordem real.”

 

Domenico Starnone em Laços

[Lista] 5 perfis paternos na literatura

A lista de hoje está bem eclética, no clima de Dia dos Pais, comemorado ontem! Dos clássicos até a literatura contemporânea, buscamos na estante algumas figuras paternas famosas no mundo dos livros, seja pelo exemplo, seja pela falta dele!

Lembrou de algum pai que ficou de fora? Conte para gente nos comentários!

1. Hamlet, de William Shakespeare: Nesta célebre história, o pai de Hamlet, príncipe da Dinamarca, passa a assombrá-lo após a sua morte, acusando seu irmão de tê-lo assassinado para se casar com sua mulher, Ofélia. Hamlet então decide armar um plano para descobrir se seu pai estava falando a verdade ou não. Ao explorar o limite entre a sanidade e a loucura, essa obra-prima da literatura inglesa influenciou inúmeros escritores, de James Joyce a Ian McEwan. 

Leia mais

[Laços] Semana #7

Encerramos a leitura de Laços, de Domenico Starnone, e a última peça desse quebra-cabeça nos surpreendeu! Participou conosco desse Clube do Livro? Envie suas impressões sobre essa leitura no e-mail blogachadoselidos@gmail.com. Publicaremos as opiniões dos leitores aqui no blog na próxima semana!

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Ladrões? Vândalos? Vigaristas? Nada disso. No final de Laços, Starnone confirma o que vinha dizendo, desde o início, nas entrelinhas da narrativa: o caos desta família está nela mesma.

Leia mais

[Laços] Semana #6

A leitura de Laços, de Domenico Starnone, continua a nos surpreender por sua intensidade. No último trecho, vemos que de fato um relacionamento tão fraturado quanto o de Aldo e Vanda só pode ser remendado superficialmente. Na próxima semana, nos despedirmos deste pequeno grande livro! Está acompanhando a leitura com a gente? Então não deixe de compartilhar suas impressões aqui com a gente!

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Com alguns amigos que também estão acompanhando a leitura conosco, discutimos recentemente sobre a opção de Starnone pela primeira pessoa para a condução da narrativa em Laços.

Em um primeiro momento, somos tomados por uma angústia colérica a partir do ponto de vista de Vanda, que escreve cartas para o marido no período de cinco anos em que eles ficaram afastados.

Quando Aldo assume a condução da narrativa, esperamos de certa forma que ele se contraponha ao que acabamos de ler, que reaja, que mostre até que ponto podemos enlouquecer quando tomados pela dor da traição.

Leia mais

[Laços] Semana #5

E aí, o que acharam das confissões de Aldo neste último trecho lido? Qual a sua reação diante do outro lado da história que lemos no comecinho do romance? Na próxima semana, avançamos até a página 118.

Por Mariane Domingos e Tainara Machado

Aldo reconta a si mesmo, mais do que ao leitor, a história do período em que se separou de Vanda. Finalmente, podemos ouvir o outro lado daquela narrativa conturbada das cartas que marcam o início do livro. Descobrimos que, enquanto Vanda vociferava suas mágoas, Aldo vivia seu sonho de liberdade.

É interessante como Domenico Starnone usa o tempo para criar dois personagens diferentes no mesmo personagem. O Aldo que abandonou Vanda não é o mesmo que agora recorda aquele período. Seu comportamento, que outrora lhe parecia legítimo e natural, se torna duvidoso nessa nova perspectiva.

Leia mais

Posts mais antigos

© 2019 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑