Tag: wislawa szymborska (página 1 de 2)

[Resenha / Review ] Para o meu coração num domingo / To My Heart, on Sunday

[SCROLL DOWN FOR THE ENGLISH VERSION]

Para o meu coração num domingo (Companhia das Letras, 344 páginas) é a mais recente coletânea de poemas de Wisława Szymborska, autora polonesa que ganhou o Nobel de Literatura em 1996, lançada no Brasil. Ela reúne poesias publicadas entre 1957 e 2001.

Nesse livro, a beleza da escrita de Szymborska se evidencia mais uma vez em sua habilidade para enxergar poesia nos momentos simples e fortuitos da vida. Seus poemas são um lembrete constante de como somos pequenos diante da grandeza do universo.

Se nas outras duas coletâneas publicadas no Brasil (Poemas e Um Amor Feliz), a guerra, a natureza e o cotidiano ocupam a maior parte dos versos de Szymborska, neste terceiro volume, a finitude da vida é o tema mais recorrente.

Leia mais

[Divã] Memória em cinzas

Que dia triste. Não foram apenas objetos que viraram cinzas. O incêndio que, neste domingo, devastou o Museu Nacional no Rio de Janeiro, acabou com 200 anos de pesquisa, destruiu um dos maiores acervos de antropologia e história natural do Brasil e levou um pouco mais da já escassa fé que temos no futuro do nosso país. Para qualquer pessoa que acredita no poder transformador da cultura, ver o descaso com que nossa sociedade trata esse tema é desesperador.

Um povo que ignora sua própria história é um povo disposto a cometer os mesmos erros. E quando falamos de memória, não precisamos nem ir muito longe para ver como ela é diariamente espezinhada no Brasil.

Basta prestar atenção em certos discursos que se proliferam nessas épocas eleitorais e que tentam amenizar ou até negar os horrores da ditadura. Estamos falando de um passado recente. O golpe militar tem pouco mais de 50 anos e já há quem o tenha esquecido.

A educação e a cultura, juntas, são os antídotos para esse esquecimento nocivo, porque, mais que oferecer e preservar conhecimento, elas munem o cidadão de identidade e capacidade crítica.

Leia mais

[Lista] 15 escritoras que você precisa ler

Um blog escrito por duas mulheres não poderia passar a semana do Dia Internacional da Mulher sem uma lista como esta, não é mesmo? Como disse Rebecca Solnit, em um dos ensaios da coletânea A Mãe de Todas as Perguntas, “a história do silêncio é central na história das mulheres”. Acreditamos que a literatura, enquanto espaço de fala, tem um papel fundamental na virada desse jogo. Vamos, então, ler mais mulheres e contribuir para um futuro com menos vozes femininas silenciadas? O que não faltam são opções!

1. Alice Munro: a canadense, Nobel de Literatura, é considerada a “mestra do conto contemporâneo”. Os personagens fortes, quase sempre mulheres, e a linguagem precisa de Munro garantem que seus textos, mesmo que breves, tenham a profundidade de um romance. Por aqui, já publicamos a resenha de Fugitiva.

2. Chimamanda Ngozi Adichie: quem acompanha o blog há um tempo dispensa a apresentação dessa autora nigeriana, de quem tanto falamos por aqui. Nosso primeiro Clube do Livro foi com um título dela, Hibisco Roxo, e a Tatá também já escreveu um pots bastante esclarecedor do porquê essa escritora tem que fazer parte da sua lista de leituras: 5 razões para ler e amar Chimamanda Ngozi Adichie.

3. Clarice Lispector: dona de uma prosa poderosíssima, que escancara a alma humana e desafia os limites da linguagem, Lispector é um dos maiores nomes da literatura mundial. Nós, brasileiros, ainda temos a sorte de poder lê-la no original e captar toda beleza e profundidade da sua escrita. Aqui no Achados, já resenhamos A Paixão Segundo G.H.

4. Margaret Atwood: descobri a literatura de Atwood no ano passado, quando lemos Dicas da Imensidão, sua coletânea de contos, em nosso Clube do Livro. Nessa mesma época, foi lançada a série baseada em seu romance O Conto da Aia. Com uma linguagem precisa e cortante, Atwood se destaca por colocar em pauta fortes embates e dilemas morais sob uma narrativa fluida e bem construída.

5. Maria Valéria Rezende: uma das melhores descobertas que a Flip 2017 me proporcionou! Talento da literatura brasileira contemporânea, bem-humorada e sem papas na língua, essa freira missionária de 76 anos, que vive em João Pessoa e dedicou grande parte da sua vida à educação e aos direitos humanos, tem uma literatura que expressa as cores do nosso país, sem perder de vista nossos problemas mais urgentes e a condição da mulher na sociedade. Veja a resenha do seu romance Quarenta Dias.

Leia mais

[Divã] Mais poesia, por favor

Ler mais poesia é uma das minhas metas literárias para 2018. Comecei o ano bem, com Rabo de Baleia (Alice Sant’anna) e Um Amor Feliz (WisławaSymzborska). Parece pouco, mas esses dois títulos já são uma vitória, considerando que, para mim, poesia é um gênero extremamente desafiador.

Interpretação é uma habilidade necessária a qualquer tipo de leitura. No entanto, para poesia, ela é vital. Entre um verso e outro cabem mais possibilidades de compreensão do que entre a primeira e a última página de um grande romance.

A concisão do formato em versos exige certos malabarismos com a linguagem que trazem, ao mesmo tempo, beleza e abertura ao texto. A escassez de palavras na poesia, quando comparada à prosa, faz com que elas ganhem muito mais força nesse gênero. Embora pareçam jogadas ao vento, são escolhidas milimetricamente, levando em conta a multiplicidade de significados. Carlos Drummond de Andrade em seu Consideração do Poema, descreve bem essa tarefa:

Não rimarei a palavra sono
Com a incorrespondente palavra outono.
Rimarei com a palavra carne
ou qualquer outra, que todas me convêm.
As palavras não nascem amarradas,
elas saltam, se beijam, se dissolvem,
no céu livre, por vezes um desenho,
são puras, largas, autênticas, indevassáveis.

Concordo com quem diz que ler poesia é mais sentir do que entender. Eu costumo demorar bem mais em dez versos do que em dez páginas de um romance. Leio e releio, em busca de sentido. Mas às vezes, só consigo enxergar a beleza das palavras e ouvir o ritmo das rimas, descobrindo uma nova possibilidade a cada leitura.

Antes, essa oscilação me frustrava, mas tenho aprendido a apreciá-la. Confesso que os poetas que flertam com a prosa, como João Cabral de Melo Neto e a própria Wisława Szymborska, são ainda os que mais me atraem, mas tenho tentado diversificar esse leque.

Sobre essa separação entre gêneros literários, aliás, a poeta polonesa Nobel de Literatura tinha uma opinião bastante contundente. Ela não acreditava em uma divisão drástica entre prosa e poesia. Em uma entrevista de 1975, Szymborska disse: “Parece-me que esses críticos que acham que eu às vezes escrevo como que novelinhas em miniatura, que são na verdade pequeninas histórias com alguma ação – talvez tenham razão.” Em seu poema Medo do Palco, ela vai ainda mais longe:

Poetas e escritores,
É assim que se diz.
Logo, poetas não são escritores, então o quê –

O caminho contrário também pode acontecer: em vez de “novelinhas em miniatura”, versos encadeados formando longas novelas. Temos a sorte de um dos grandes nomes contemporâneos da prosa poética ser da literatura portuguesa. Poder ler o texto original de Valter Hugo Mãe é não perder a beleza de versos disfarçados de frases, como estas que aparecem em Homens Imprudentemente Poéticos:

Esperaram pelo sono para se mudarem para o dia seguinte. Havia sempre esperança na travessia nocturna. Cada deus revia a criação no quieto da noite, acender os dias era sempre a possibilidade de uma nova criação. Era importante dormir com esperança.

E você, gosta de poesia ou prosa poética? O que mais chama sua atenção? Deixe aqui nos comentários suas dicas de leitura!

[Resenha] Um Amor Feliz

Minha vontade é transcrever os poemas de Wisława Szymborska (pronuncia-se Vissuáva Chembórska) todos aqui, para convencê-los de imediato de sua genialidade. Tenho, no entanto, apenas algumas linhas para cumprir essa missão. Espero fazer jus à capacidade de concisão, que é uma das marcas de Szymborska, sintetizando, em poucos parágrafos, por que a coletânea Um Amor Feliz (Companhia das Letras, 327 páginas) deve ser sua próxima leitura.

A primeira razão é, sem dúvida, a sagacidade de sua poesia. A amplitude um tanto assustadora do mundo e a beleza por vezes cruel dos detalhes são comuns à obra da poeta polonesa, que ganhou o Nobel de Literatura em 1996. Com um olhar aguçado sobre a realidade, Szymborska extrai reflexões essenciais de momentos que, para a maioria das pessoas, soam banais. No poema Elegia de Viagem, por exemplo, a fugacidade do instante, tão corriqueira na vida de um turista, ganha forma em belos versos:

Tudo meu, nenhuma posse,
nenhuma posse para a lembrança,
mas meu enquanto olho.

(…)

Da cidade de Samokov só a chuva
e nada além da chuva.

Paris do Louvre às unhas
em brancura se vela.

(…)

Saudação e despedida
numa única olhada.

Para o excesso e a falta
um só mover do pescoço.

Leia mais

Posts mais antigos

© 2021 Achados & Lidos

Desenvolvido por Stephany TiveronInício ↑